Cápsulas de café e garrafas de plástico banidas em Hamburgo

Novo guia de compras prevê regras para as aquisições nos serviços municipais. Ambientadores, cápsulas, garrafas ou talheres de plástico estão proibidos

O novo guia para as compras da administração pública na cidade alemã de Hamburgo é inédito: além de uma longa lista de recomendações com vista a tornar as aquisições menos poluentes, elenca um conjunto de produtos que, em caso algum, deverão fazer parte das escolhas dos responsáveis. Entre eles, as cápsulas de café, as garrafas, pratos e talheres de plástico para usar apenas uma única vez e ainda os ambientadores. Nenhum destes bens poderá ser adquirido com o dinheiro dos contribuintes e a lista das proibições poderá vir a crescer, confirmou ao Le Monde o porta-voz do município, Jan Dube. O guia de compras ecológico, garante, reuniu o consenso de todos os funcionários da administração municipal, mas o problema poderá estar nas burocracias, admite Dube, que crescem com as condições colocadas aos produtos a adquirir.

Entretanto, a compra de água engarrafada terminou e todos os trabalhadores dos serviços públicos terão de encher os seus próprios recipientes em fontes colocadas nos edifícios para o efeito. O guia, de 150 páginas, chega a definir regras para o modo de utilização dos transportes e prevê que seja colocado à disposição dos funcionários um conjunto de bicicletas para substituir os veículos próprios.

Há regras para os produtos de higiene que podem ser adquiridos, para os sistemas de iluminação e para os equipamentos informáticos. De forma geral, todos devem questionar-se sobre a "oportunidade" da compra antes de partir para a aquisição propriamente dita, ponderando o impacto ambiental de cada produto e levando em conta o seu ciclo de vida, da produção à eliminação.

Apesar das exigências, o objetivo deste guia de compras passa também por evitar custos excessivos para o orçamento daquela que é a segunda maior cidade alemã, apenas ultrapassada por Berlim. O contributo de Hamburgo para o PIB da Alemanha é elevado, daí que as despesas sejam igualmente substanciais: por ano, a cidade gasta cerca de 250 milhões de euros em bens e serviços.

Hamburgo é também uma das cidades alemãs onde o partido d' Os Verdes tem melhor implantação: em 2008, coligaram-se com a CDU (a União Democrata-Cristã, da chancelar Angela Merkel) e, desde 2011, mantêm-se no poder em coligação com o SPD (Partido Social-Democrata da Alemanha). Ao longo destes oito anos no poder, os dirigentes locais d'Os Verdes têm espelhado aquela que é também uma das grandes preocupações dos alemães em geral: a conservação do meio ambiente.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...