Capitão Tom Moore, 100 anos, ordenado Cavaleiro pela rainha após angariar milhões

O momento foi raro e único: a rainha Isabel II condecorou, em cerimónia individual, o veterano da II Guerra Mundial, que fez 100 anos em abril, por ter conseguido angariar 36,6 milhões de euros para o serviço de saúde britânico.

Quando a pandemia estava no pico, um veterano da II Guerra Mundial distinguiu-se em Inglaterra. Em abril o capitão Tom Moore estava a poucos dias de comemorar 100 anos e decidiu angariar fundos para o NHS (Serviço Nacional de Saúde britânico), ao dar 100 voltas ao seu jardim. Foi um exemplo e um fenómeno no país, ao arrecadar 36, 6 milhões de euros. Esta sexta-feira, Moore foi ordenado Cavaleiro pela rainha Isabel II, numa cerimónia privada no castelo de Windsor na primeira aparição da monarca numa cerimónia oficial desde o início da pandemia.

Apesar de outros eventos reais terem sido adiados recentemente devido à covid-19, a homenagem a Tom Moore foi uma exceção. A cerimónia individual, sem precedentes, foi realizada no Castelo de Windsor, com a presença da filha do veterano, Hannah Ingram-Moore, do genro, Colin Ingram, do neto Benjie e da neta Georgia.

A rainha , de 94 anos, ficou em Windsor durante a pandemia de covid-19 por segurança, mas quis estar pessoalmente neste compromisso oficial em que concedeu o título de Sir ao veterano de 100 anos.

Diz a imprensa britânica que a rainha esteve cerca de cinco minutos à conversa com Sir Tom e a sua família e agradeceu pessoalmente : "Muito obrigado, foi uma quantia incrível de dinheiro angariada."

A monarca também foi escutada a dizer ao ex-capitão do Exército que "cem anos são uma grande idade".

Antes da cerimónia, o veterano tinha afirmado que estava "completamente maravilhado". "Nunca por um único momento poderia ter imaginado que seria agraciado com uma honra tão grande", declarou

Foi a 6 de abril, o então "capitão Tom" - mais tarde nomeado coronel honorário - propôs-se a amealhar 1.000 libras para associações vinculadas ao serviço público de saúde britânico, o NHS. Cumpriu o objetivo de caminhar, com a ajuda do seu andador, cem vezes os 25 metros quadrados do seu jardim, como forma de prestar homenagem aos profissionais da saúde que combatiam a pandemia de covid-19 - e que o tinham já ajudado, no passado, a superar um cancro e uma fratura na anca.

A história deixou o país - e depois o resto do mundo - comovido. Os donativos não pararam. A 30 de abril, a constribuição do povo britânico superou todas as expetativas, com um total de 33 milhões de libras [perto de 36,6 milhões de euros], em doações. Era o dia em que o veterano comemorou 100 anos, e em que teve direito a honras como o voo de dois aviões da Royal Air Force e a chegada de 140.000 cartões de aniversário vindos de todo o mundo.

Boris Johnson não ficou indiferente e foi o primeiro-ministro quem recomendou à rainha Isabel II a condecoração do coronel Tom. "A fantástica angariação de fundos do coronel Tom quebrou os recordes, inspirou todo o país e trouxe um raio de luz no meio do nevoeiro do coronavírus", afirmou Johnson, agradecendo ao veterano de guerra "em nome de todos os que se comoveram com a sua incrível história".

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG