Bombista suicida mata dezenas de pessoas em procissão na Nigéria

Um primeiro bombista tinha sido detido e confessado que um segundo se encontrava entre a multidão na procissão de muçulmanos xiita

Um bombista suicida fez-se explodir hoje no meio de uma procissão de muçulmanos xiitas a 20 quilómetros a sul de Kano, no nordeste da Nigéria, informaram os organizadores, que falam de "dezenas de mortos".

O ataque ocorreu cerca das 14:00 locais (13:00 em Lisboa) "matando dezenas" de fiéis na localidade de Dakasoye, afirma no seu 'site' na Internet o Movimento Islâmico na Nigéria, dirigido pelo xeque Ibrahim Zakzaky, que organizou a procissão.

"Havia uma enorme multidão, é ainda cedo para fazer um balanço preciso das vítimas", disse à agência France Presse um dos organizadores que não quis ser identificado.

Antes, explica o comunicado divulgado no referido 'site', um primeiro bombista suicida tinha sido detido e confessado que um segundo se encontrava entre a multidão.

O segundo suicida ter-se-á feito explodir quando percebeu que o seu cúmplice tinha sido detido, disse a mesma fonte à AFP.

"Estava vestido de preto como toda a gente. O seu cúmplice tinha sido detido antes e tinha confessado que eles tinham sido enviados pelo (grupo radical islâmico) Boko Haram", adiantou.

"Eles faziam parte dos jovens raptados pelo Boko Haram na cidade de Mubi (estado de Borno) o ano passado e levados para a floresta de Sambisa onde foram obrigados a ter treino militar. Foram enviados para Kano há 11 dias e mantidos numa casa especificamente para realizarem este ataque", precisou o organizador.

Os fiéis participavam numa "marcha simbólica" de Kano a Zaria, no vizinho estado de Kaduna, onde o xeque Zakzaky está sediado, para marcar o 40.º dia do luto xiita de Ashura, pelo aniversário da morte do imã Hussein, neto do profeta Maomé. A chegada a Zaria, prevista para 03 de dezembro, devido coincidir com a concentração de peregrinos na cidade iraquiana de Kerbala, onde se encontra o túmulo do imã Hussein.

O sunita Boko Haram já tinha escolhido os muçulmanos xiitas como alvo noutras ocasiões. Iniciada em 2009, a revolta do Boko Haram e a sua repressão causaram pelo menos 17.000 mortos e 2,5 milhões de deslocados na Nigéria.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG