Ataques suicidas na Nigéria matam pelo menos 30 pessoas

Duas bombistas fizeram-se explodir num mercado da cidade nigeriana de Madagali

Pelo menos 30 pessoas morreram hoje na cidade nigeriana de Madagali, no estado de Adamawa, quando duas bombistas-suicidas se fizeram explodir num mercado local, segundo voluntários civis que apoiam o Exército na luta contra o grupo terrorista Boko Haram.

O mercado em que as duas mulheres, que levavam os explosivos presos aos corpos, cometeram o atentado fica próximo de uma estação de autocarros e é muito frequentado.

Embora o Exército tenha confirmado a ocorrência, ainda não avançou um número exato de mortos.

O ataque tem lugar após pelo menos 35 pessoas terem sido assassinadas entre domingo e hoje em vários atentados na cidade de Maiduguri, capital do estado de Borno e situada, tal como Madagali, no nordeste do país, região de população muçulmana e epicentro da atividade do Boko Haram.

Em agosto do ano passado, a presença do Boko Haram - que pretende estabelecer um Estado islâmico independente no país mais populoso da África - em Madagali provocou um êxodo de residentes para a capital do estado, Yola.

O Governo nigeriano falou há dias sobre os seus avanços na luta contra o grupo fundamentalista islâmico, afirmando que destruiu boa parte da sua capacidade militar e recuperou os territórios mais importantes que os terroristas tinham tomado.

O Presidente nigeriano, Muhammadu Buhari, que determinara o dia 31 de dezembro como prazo para exterminar o Boko Haram, declarou que o Governo havia "tecnicamente" derrotado o grupo, mas os recentes atentados mostram que os seus militantes permanecem capazes de causar uma carnificina em massa.

O grupo, que tem dirigido os seus ataques nos últimos meses contra objetivos considerados fáceis, como mercados, estações de autocarros e outros lugares onde os civis se concentram, matou cerca de 12.000 pessoas nos últimos cinco anos, 3.000 das quais só em 2014, segundo as autoridades nigerianas.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG