Apesar das filas e dos 11 mortos, Nepal recusa restringir acesso ao Evereste

A superlotação originada pelo aumento de expedições, a falta de experiência de muitos alpinistas e as condições climatéricas adversas são apontadas como as principais causas para esta ser uma das temporadas com mais mortes na montanha mais alta do mundo. Mas a escalada continua a ser incentivada.

O Governo nepalês emitiu este ano o maior número de licenças de sempre para subir o monte Evereste e não tenciona abrandar. As filas para atingir o pico da montanha com 8 848 metros de altitude estão constantemente a aumentar e podem colocar em causa a segurança dos alpinistas. Na temporada deste ano, que terminou terça-feira (28 de maio), morreram 11 pessoas durante a escalda, o número mais elevado dos últimos quatro anos.

Segundo os alpinistas ouvidos pela Associated Press, o aumento do número de pessoas a escalar a montanha mais alta do mundo é preocupante porque atrapalha o ritmo de escalada. Por causa da altitude, os alpinistas têm um tempo limite para alcançar o topo antes de correrem o risco de um edema pulmonar, motivado pela insuficiência de oxigénio. A última etapa da escalada (acima dos oito mil metros de altitude) é por isso conhecida como a "zona da morte".

Robin Haynes Fisher, um dos alpinistas que morreram este mês no Evereste, chegou a alertar para a superlotação na montanha, avisando que haveria filas com mais de 200 pessoas em direção ao cume. Muitas destas, sem experiência adequada para escalar a montanha.

Mas parece que o ritmo não irá abrandar nos próximos tempos. Pelo contrário, as campanhas de acesso ao Evereste "pelo prazer ou pela fama", como aconselha o secretário de Estado do Turismo nepalês, Mohan Krishna Sapkota, continuam e o tempo que se passa em cima da montanha permanece sem restrições. "Não temos regras nem regulamentos que digam quantas pessoas podem realmente subir e quando", diz Kul Bahadur Gurung, secretário-geral da Associação de Alpinismo do Nepal. "Há mais pessoas no Evereste do que devia ser possível", afirma.

Para subir o cume que se divide entre o Nepal e a China basta uma autorização médica e o pagamento de uma taxa: 11 mil dólares (quase dez mil euros). Este ano, foram emitidas 381 licenças, o número mais elevado de sempre, segundo o governo do Nepal, que tem cerca de 300 milhões de dólares de receita anual com a indústria da escalada. Mas o secretário de Estado do Turismo rejeita que o aumento das expedições esteja relacionado com as mortes; explica-as antes com o clima adverso ou com equipamento inadequado.

Na verdade, as 381 licenças significam um total de mais de 600 pessoas no Evereste, se contarmos com os sherpas e outro pessoal de apoio que acompanha os alpinistas.

Do seu lado (a norte), a China está a limitar o número de licenças aos alpinistas em um terço como parte de um plano de limpeza da montanha que se iniciou este ano.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.