Antártida deixa de ser o único continente sem casos após ter sido detetado um surto

36 homens testaram positivo, 26 dos quais soldados do exército do Chile e dez civis de uma empresa de serviços que realizava trabalhos de manutenção programada

Um surto de covid-19 foi detetado numa base militar na Antártida, o único continente que até agora não tinha sido afetado pela pandemia, divulgou esta segunda-feira o exército do Chile.

"Testaram positivo para o novo coronavírus 36 homens, 26 dos quais soldados e dez civis de uma empresa de serviços que realizava trabalhos de manutenção programada" na base Bernardo O'Higgins Riquelme, na Antártida, revelou o exército chileno em comunicado.

O contágio terá acontecido após a recente visita àquela base do navio na Marinha chilena Sargento Aldea, que realizou manobras de apoio logístico entre 27 de novembro e 10 de dezembro, noticia a agência AFP.

Depois de completar a sua missão e chegar ao porto de Talcahuano, no sul do Chile, em 16 de dezembro, foram detetados naquele navio três casos positivos de covid-19 num total de 208 tripulantes.

Até então, a Antártida era uma das poucas regiões do mundo onde nenhum caso do novo coronavírus tinha sido registado, após as restrições adotadas e o cancelamento de viagens turísticas.

Todo o pessoal não essencial foi retirado desde o início da pandemia e foi ainda proibido todo o contacto entre o pessoal das cerca de quarenta bases militares e científicas internacionais ali instaladas.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1 685 785 mortos resultantes de mais de 76,2 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (317 597) e também com mais casos de infeção confirmados (mais de 17,8 milhões).

Seguem-se, em número de mortos, o Brasil (186 764 mortos, mais de 7,2 milhões de casos), a Índia (145 810 mortos, mais de 10 milhões de infetados), o México (118 202 mortos, mais de 1,3 milhões infetados) e a Itália (69 214 mortos, mais de 1,9 milhões de casos).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG