Ano Novo. Ameaça terrorista obriga a reforçar segurança

Autoridades belgas e turcas travaram dois planos para a realização de atentados na passagem de ano. Bruxelas cancela festejos

Primeiro a Bélgica, depois a Turquia: Bruxelas e Ancara anunciaram ter travado a realização de atentados terroristas previstos para a passagem de ano. Mas os belgas não vão arriscar e o presidente da comuna de Bruxelas, Yvan Mayeur, anunciou o cancelamento dos festejos na praça de Brouckère, onde eram esperadas cem mil pessoas. Pelas capitais europeias, a ordem é reforçar a segurança de forma a evitar estragar uma noite que se quer de festa. Antes do natal, a polícia de Viena revelou ter sido alertada por serviços de informações "amigos" para eventuais ataques antes do Ano Novo.

"Infelizmente, os fogos de artifício e tudo o que era esperado amanhã [hoje] à noite, que devia reunir muitas pessoas no centro de Bruxelas, tem que ser cancelado dada a análise de risco", disse o burgomestre. A decisão surge um dia depois de terem sido detidos dois suspeitos, que alegadamente preparavam um atentado para a passagem de ano. Ontem, a polícia efetuou outra detenção, depois de novas buscas em Molenbeek, mas relacionadas com os ataques de Paris, que fizeram 130 mortos a 13 de novembro.

Saïd Souati, de 30 anos, e Mohamed Karay, de 27, planeavam atacar "locais emblemáticos" de Bruxelas, durante as festas de Ano Novo, segundo as autoridades. O primeiro, conhecido por ser um pregador radical, é um dos fundadores do grupo motard "Kamikaze riders". O nome de Souati já tinha surgido ligados a investigações por suspeitas de terrorismo, por envolvimento com o grupo Sharia4Belgium (que quer transformar a Bélgica num estado islâmico). Mas a sua única condenação, seis anos de prisão, foi por roubo. O outro suspeito, Karay, que também pertence aos "Kamikaze riders" tem apenas na ficha policial pequenas infrações de trânsito.

A polícia emitiu ontem mandados de captura contra quatro membros da Sharia4Belgium (considerada organização terrorista desde fevereiro) que terão ido para a Síria.

Em Molenbeek, as autoridades efetuaram várias buscas, no âmbito da investigação aos ataques de Paris. Pelo menos uma pessoa foi detida. O Le Monde, que teve acesso a seis mil documentos da investigação, revelou que os atentados da capital francesa podem ter sido coordenado em tempo real por telefone a partir da capital belga por um terrorista cuja identidade continua a ser desconhecida. Dois dos comandos responsáveis estavam em contacto com dois telemóveis belgas diferentes, que se encontravam na mesma localização na capital belga quando decorriam os ataques.

Detenções na Turquia

Os dois suspeitos detidos ontem num apartamento do bairro Mamak, em Ancara, seriam membros do grupo extremista Estado Islâmico. "Um colete de explosivos pronto a ser utilizado e uma mochila cheia de explosivos com esferas e pedaços de aço foram encontrados", segundo um comunicado das autoridades. Os alvos, segundo os media locais, seria a entrada de um centro comercial e uma rua de lojas junto à praça central de Kizilay, onde se costuma festejar a passagem de ano.

A Turquia está em estado de alerta desde o duplo atentado suicida que fez 103 mortos frente à gare de Ancara, a 10 de outubro, numa manifestação pela paz. As autoridades culparam o Estado Islâmico. Mas depois dos atentados de Paris outros países europeus estão também em alerta.

Madrid

A tradicional festa de Ano Novo na Porta do Sol vai contar com um dispositivo de segurança de 600 efetivos, mais 15% do que no ano passado. Todas as 25 mil pessoas (o máximo permitido pelas autoridades) que vão ouvir as badaladas em direto no quilómetro zero de Madrid vão ser revistadas, para impedir a entrada de objetos que possam representar um risco para a segurança

Londres

Desde agosto de 2014 que o nível de alerta está no segundo mais elevado - severo. Para a passagem do ano, a operação de segurança é "significativa". Três mil polícias vão estar de serviço no centro da cidade, junto ao rio Tamisa, onde decorre o espetáculo de fogo de artifício. Mais de cem mil pessoas têm bilhete para poder assistir

Berlim

Esta passagem do ano, a 25.ª após a reunificação alemã, contará com um reforço de segurança na Feiermeile (milha das celebrações), cercada desde o natal. 900 polícias (mais 180 que há um ano) garantem a segurança, tendo estabelecido um cordão de 13 km de comprimento em redor da Porta de Brandeburgo. Um milhão de pessoas devem assistir à festa - serão revistadas e é proibida a entrada com mochilas

Bruxelas

Após ter sido travado um plano que envolvia ataques múltiplos na noite de passagem de ano, a dúvida era saber se haveria a tradicional festa e fogo de artifício na praça de Brouckère. No final do dia, o risco foi mais alto - foi tudo cancelado.

Moscovo

Pela primeira vez a Praça Vermelha, onde os moscovitas costumam dar as boas vindas ao novo ano, vai estar fechada. Só os convidados da emissão especial que será transmitida em direto pela televisão poderão entrar. Oficialmente, a medida nada tem a ver com a ameaça terrorista, mas Moscovo está na mira do Estado Islâmico desde o início dos bombardeamentos na Síria

Nova Iorque

Um milhão de pessoas devem assistir em Times Square à descida da bola de cristal gigante que assinala a entrada em 2016, guardadas por seis mil polícias - mais 500 do que no ano passado. "Somos a cidade mais bem preparada para prevenir o terrorismo", disse o presidente da câmara, Bill de Blasio.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG