Ana Gomes deixa Estrasburgo com pedido para investigar negócios do futebol

Eurodeputada socialista portuguesa despediu-se terça-feira do Parlamento Europeu, onde cumpriu três mandatos.

Guerreira até ao fim, a portuguesa Ana Gomes despediu-se esta semana do Parlamento Europeu com um pedido de investigação às milionárias transferências no futebol por parte das autoridades políticas e judiciais portuguesas e europeias.

A informação foi dada esta quarta-feira pela própria Ana Gomes através das redes sociais, divulgando a carta enviada às diversas instâncias nacionais e europeias - acompanhada por vários documentos obtidos "via 'Football Leaks'", precisou a eurodeputada cessante - "para investigação de eventuais crimes de fraude e de evasão fiscal e de branqueamento de capitais" nos negócios entre clubes de futebol.

O conjunto de documentos agora entregues por Ana Gomes às autoridades portuguesas e europeias "exemplifica esquemas de triangulação e de 'bridge transfer' engendrados para aqueles propósitos criminais e utilizados por clubes portugueses", prosseguiu Ana Gomes na referida carta.

"Não podem pretender não saber!", escreveu esta quarta-feira a já ex-eurodeputada Ana Gomes no Twitter - tendo em pano de fundo a compra do português João Félix por 126 milhões de euros, anunciada oficialmente esta quarta-feira, por parte do Atlético de Madrid ao Benfica.

A operação tem suscitado dúvidas a diversos especialistas e comentadores, como os jornalistas Rui Santos e Bruno Faria Lopes. Este, também no Twitter e citado pelo Público, que primeiro deu a notícia sobre o pedido de Ana Gomes, disse não encontrado ainda uma "explicação racional e fundamentada" para se pagar tanto por um jogador "com apenas 19 anos, que jogou meia época num campeonato de terceira categoria".

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Onde pára a geração Erasmus? 

A opinião em jornais, rádios e televisões está largamente dominada por homens, brancos, nascidos algures no século passado. O mesmo se passa com jornalistas e políticos que fazem a maior parte dos comentários. Este problema está há muito identificado e têm sido feitos alguns esforços para se chegar a uma maior diversificação desta importante função dos órgãos de comunicação social. A diversidade não é receita mágica para nada, mas a verdade é que ela necessariamente enriquece o debate. Quando se discute o rendimento mínimo de inserção, por exemplo, o estatuto, a experiência, o ponto de vista importa não só dentro da dicotomia entre esquerda e direita, mas também consoante as pessoas envolvidas estejam mais ou menos directamente ligadas aos efeitos das políticas em discussão. Esta constatação é demasiadamente banal para precisar de maior reflexão. Acontece que, paradoxalmente ou não, se tem assistido a uma maior diversificação social entre a classe política activa do que propriamente entre aqueles que sobre ela opinam.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.