Agente tentou adiar julgamento para ver o eclipse. Juiz respondeu com Star Trek

Procurador adjunto apresentou uma moção com o fim de atrasar o julgamento, argumentando que o agente já tinha pago as viagens para ver o eclipse solar. A argumentação não colheu

O Departamento de Justiça dos EUA pediu a um juiz, na Florida para adiar um julgamento, que envolvia um criminoso acusado de possuir armas de fogo, para que um agente pudesse assistir ao eclipse desta segunda-feira. O juiz recusou, argumentando com várias referências da cultura popular, incluindo até a famosa série de ficção científica Star Trek.

Num documento de três páginas, o juiz Steven Merryday recusou o pedido do agente do departamento de crimes relacionados com álcool, tabaco, armas de fogo e explosivos, que justificava a pretenção com o argumento de que tinha pré-pago uma viagem para ver o eclipse solar.

Na decisão, publicada nesta sexta-feira, o juiz começa por fazer referência à música de Carly Simon "You're So Vain", citando os versos "Depois voaste no teu Learjet para Nova Escócia / Para ver o eclipse total do sol..." (tradução nossa).

Depois, parafraseando a famosa frase de abertura de Star Trek "Espaço a fronteira final, estas são as viagens (...) para audaciosamente ir onde nunca ninguém foi", o juiz escreveu:"Nesta ocasião, um procurador dos Estados Unidos audaciosamente pede (como nunca uma agência pediu) para adiar um julgamento porque um agente prépagou uma visita à zona de 'totalidade' do eclipse solar".

O juiz criticou ainda as alegações científicas referidas no pedido. O prcurador Kaitlin O'Donnell afirmara que o último eclipse total ocorreu em 1918, enquanto o juiz observou, numa nota de rodapé, que de acordo com a NASA na última década já existiram seis oportunidades de ver um eclipse total.

Não é a primeira vez que Steven Marryday tem uma proposta invulgar para adiar um julgamento. Em 2012, um advogado envolvido num julgamento por homicídio requereu um adiamento para que pudesse participar num concurso anual de sósias do Ernest Hemingway. Esse pedido foi também negado.

Exclusivos

Premium

Contratos públicos

Empresa que contratava médicos para prisões não pagou e sumiu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.