ADN de novo suspeito identificado dos atentados de Paris encontrado em material explosivo

O ADN de Najim Laachraoui foi descoberto em "material explosivo usado nos ataques"

O ADN do suspeito recém-identificado pela procuradoria federal belga como tendo participado nos atentados de Paris, Najim Laachraoui, foi encontrado em material explosivo dos atentados de 13 de novembro, que vitimaram 130 pessoas na capital francesa.

De acordo com fonte próxima da investigação, que falou à francesa iTELE, o ADN de Laachraoui, que continua a monte, foi encontrado "em material explosivo usado nos ataques".

O presumível cúmplice identificado como Najim Laachraoui, de 24 anos, era mais conhecido pelo nome falso de Sufiane Kayal, tendo a justiça belga revelado uma foto do suspeito e lançado um novo apelo a testemunhas que possam ajudar na sua localização. As investigações revelaram que Sufiane Kayal, nascido a 18 de maio de 1991, viajou para a Síria em fevereiro de 2013, segundo um comunicado da procuradoria. O suspeito terá arrendado, sob a identidade falsa, uma casa no sul da Bélgica onde terão sido preparados os atentados em Paris.

O suspeito estava também num carro que foi controlado a 9 de setembro de 2015 na fronteira austro-húngara, viajando com Salah Abdeslam e Mohamed Belkaïd, um argelino de 35 anos que foi abatido numa operação policial, na terça-feira, em Forest, uma autarquia de Bruxelas. Laachraui é suspeito de ter estado em contacto telefónico com membros do comando terrorista na noite de 13 de novembro.

A identificação de Laachraui foi feita após a captura, na sexta-feira, de Salah Abdeslam, em Bruxelas, após mais de quatro meses em fuga. Abdeslam foi já formalmente acusado de homicídios terroristas e de participação em atividades organização terrorista. Os atentados de 13 de novembro em Paris, reivindicados pelo grupo extremista Daesh (acrónimo para o auto-proclamado Estado Islâmico), fizeram 130 mortos e mais de 300 feridos.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.