Mais uma demissão na Casa Branca. Chefe dos serviços secretos sai

Coats e Trump entraram várias vezes em desacordo em questões sensíveis como as relações com a Rússia e a Coreia do Norte.

É a última baixa nos quadros mais altos da administração Trump. Dan Coats, o chefe dos serviços secretos norte-americanos, apresentou a sua demissão este domingo. Donald Trump já reagiu à demissão no Twitter e anunciou o substituto: o congressista do Texas John Ratcliffe.

"John vai liderar e elevar o país que ele ama", tuitou o presidente norte-americano, que aproveitou para anunciar a data de saída de Dan Coats: 15 de agosto.

Coats e Trump entraram várias vezes em desacordo em questões sensíveis como as relações com a Rússia e a Coreia do Norte. Em janeiro, o presidente dos EUA disse que o seu chefe dos serviços secretos tinha sido passivo e ingénuo ao avaliar a ameaça que o Irão representa.

Há um ano, recorda a BBC, Dan Coats manifestou surpresa quando soube que Donald Trump se iria encontrar com o presidente russo, Vladimir Putin, na Finlândia. "Vai ser especial", disse Coats, com ironia. Mais tarde, acabou por pedir desculpas pelo comentário, alegando que a sua resposta "desajeitada" não expressava desrespeito para com as ações do presidente dos EUA.

Na sua carta de demissão, o agora ex-chefe dos serviços secretos lembrou que foi sob a sua liderança que os EUA voltaram a poder recolher e analisar comunicações online feitas por estrangeiros fora do país e lidaram com ameaças às eleições norte-americanas. "A agência está mais forte que nunca e mais bem preparada para enfrentar novos desafios e oportunidades", frisou.

Exclusivos