555 lojas da Thomas Cook vão ser compradas por agência rival

A cadeia de lojas foi vendida à Hays Travel, diz a imprensa britânica. 2500 empregos devem ser poupados com esta aquisição.

A Hays Travel adquiriu a cadeia de 555 lojas da Thomas Cook e deverá assim manter "um número significativo" de funcionários, disse a empresa. A medida visa conter os danos do colapso da empresa de 178 anos, a mais antiga agência de viagens do Reuno Unido, no final do mês de setembro - com passageiros britânicos que o governo britânico resgatou por todo o mundo e dívidas em hotéis.

"Thomas Cook foi uma muito adorada marca que deu emprego a pessoas talentosas. Estamos ansiosos por trabalhar com muitos deles", disseram John e Irene Hays, diretor e chairman da Hays Travel, citados pela The Guardian.

Segundo a Hays Travel, que opera também a Just Go Travel, 421 antigos funcionários da Thomas Cook foram já contratados.

Do lado da KPMG e da Thomas Cook, a decisão foi vista como "extremamente positiva". "Dá oportunidades de recontratação a um número significativo de trabalhadores e assegura o futuro dos locais de retalho por todo o Reino Unido".

A Hays Travel diz que pretende reabrir lojas "com efeito imediato e onde for possível ficando com até 2500 pessoas". Cerca de 100 devem ficar a trabalhar na sede da companhia, em Sunderland, no norte da Inglaterra, e as restantes serão espalhadas por estabelecimentos do resto do país.

A Hays Travel nasceu em 1980, nas traseiras da loja de roupa infantil da mãe de John Hays. O negócio cresceu até ter hoje 190 lojas no Reino Unido, emprega 1700 pessoas e tem receitas de 1,14 mil milhões de euros por ano. Com este negócio, triplica de tamanho.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.