1% dos chineses donos de um terço da riqueza

Diário do Povo divulga estudo da Universidade de Pequim sobre desigualdades crescentes na China

"A desigualdade em rendimento e bens entre os agregados familiares no país está a tornar-se cada vez mais séria", afirma um estudo da Universidade de Pequim divulgado hoje pelo Diário do Povo, o órgão oficial do Partido Comunista Chinês. Assim, 1% dos chineses é dono de um terço da riqueza nacional, segundo os investigadores, que analisaram 14960 agregados em 160 regiões e 250 cidades.

O jornal relembra que o índice de Gini, que mede a desigualdade, aumentou muito desde 1980, quando as reformas económicas foram lançadas por Deng Xiaoping. Hoje, esse índice na China é de 0,49, "muito mais elevado que a linha de alarme de 0,40"., sublinha o Diário do Povo.

Com o crescimento económico a abrandar, depois de mais de três décadas na ordem dos 10% anuais, o regime comunista tem dado recentes provas de preocupação com as novas desigualdades e também com o enriquecimento súbito de figuras do partido, o que pode minar a legitimidade dos governantes. Não por acaso, esta notícia surge em destaque na edição em inglês do jornal do PC Chinês e numa altura em que se somam acusações de corrupção contra quadros do partido e do Estado e até alguns estranhos casos de milionários desaparecidos.

Nas últimas três décadas, a China chegou a segunda economia mundial e com grande subida do nível de vida da população, sobretudo nas zonas urbanas do litoral. Em paralelo, apesar de o país liderado por Xi Jinping continuar oficialmente comunista, o número de milionários explodiu, com a Forbes a calcular que os donos de uma fortuna superior a mil milhões de dólares sejam já 335. Isto significa, segundo a revista americana, um crescimento de 38% de 2014 para 2015, com os Estados Unidos a serem o único país como mais magnatas do que a China.

Os três chineses mais ricos são Wang Jialin, dono de centros comerciais e cada vez mais forte investidor no cinema, até americano, Jack Ma, criador do portal Alibaba, e Ma Huateng, mais um self made man que também fez fortuna nos negócios ligados à internet. Respetivamente, são donos de 30 mil milhões de dólares, de 21,8 mil milhões e de 17,6 mil milhões.

Em paridade de poder de compra, o rendimento médio anual de um chinês é de 13 mil dólares, cerca de quatro vezes menos do que o de um americano.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG