O Estado do Sítio estreia-se hoje na TSF com Trump na mira

Novo programa de política internacional de Ricardo Alexandre para ouvir aos domingos, às 10.00 (com reposição às 3.00 de segunda)

"O problema de Israel e Palestina vai ficar mais longe de se resolver", assegura o embaixador José Cutileiro, ao analisar a mudança nesta semana da embaixada americana para Jerusalém, na estreia do programa O Estado do Sítio, hoje na TSF, e do qual é comentador residente. Questionado por Ricardo Alexandre, editor de Política Internacional e diretor adjunto da rádio, Cutileiro comenta ainda a saída dos Estados Unidos do acordo nuclear com o Irão, admitindo que, de facto, "o acordo podia ser muito melhor do que é", mas realça que "Donald Trump não tem razão na forma como o faz", uma vez que o presidente "tem uma necessidade quase patológica de destruir o que Barack Obama fez". "Está tudo a ser escavacado", é a conclusão do diplomata, para ser ouvida hoje de manhã na rádio que integra o grupo de media do DN.

O Estado do Sítio é o novo programa de política internacional da TSF. Da autoria do jornalista Ricardo Alexandre (ex-RTP e Antena 1) e com José Cutileiro em permanência (dando continuidade a um trabalho conjunto de 13 anos), tem sonoplastia de Miguel Silva. Além da emissão aos domingos logo a seguir ao noticiário das 10.00, o programa terá reposição às 3.00 nas madrugadas de segunda-feira.

Nesta emissão de estreia, a mudança da Embaixada dos Estados Unidos para Israel e a divisão entre Washington e os europeus por causa do acordo nuclear iraniano são os temas em destaque. Além da análise do embaixador Cutileiro, o programa ouviu outros especialistas, como a investigadora do Instituto Português de Relações Internacionais, Ana Santos Pinto, que afirma que "apesar das elites diplomáticas continuarem com a solução da narrativa de dois Estados parece-me que nem do lado israelita nem do lado palestiniano a questão é já uma realidade".

Ricardo Alexandre, de 47 anos, tem 28 anos de carreira jornalística e esteve em reportagem em países como Irão, Ucrânia, Timor, Afeganistão e todos os dos Balcãs. É doutorado pelo ISCTE em Ciência Política com especialização em Relações Internacionais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.