Mudanças (de bastidores) no Facebook: o que muda na sua conta?

Empresa anunciou várias medidas para evitar o roubo e mau uso de informação. Acontecerão mais investigações e, noutros casos, os dados pedidos serão reduzidos, a menos que o Facebook permita o contrário

Depois de Mark Zuckerberg ter reagido ao escândalo que envolve o Facebook e a Cambridge Analytica, a própria rede social anuncia novas medidas para proteger os dados e as informações dos utilizadores. São mudanças sobretudo de bastidores, que não terão grande impacto na experiência dos utilizadores.

O fundador do Facebook disse que, "no final das contas", era o "responsável pelo que acontece" na plataforma. "Aprenderemos com a experiência [caso Cambridge Analytica] para proteger ainda mais a nossa plataforma e tornar a nossa comunidade mais segura daqui para a frente", referiu também.

Falta saber, no entanto, até que ponto estas medidas, ou as novas ferramentas apresentadas para tornar a "comunidade mais segura", vão ser de acesso fácil e qual vai ser o seu verdadeiro impacto. Isto porque as mudanças acontecem em algumas definições que estão um pouco "escondidas" ou que não são muito acedidas pelos utilizadores.

Uma publicação da empresa no seu blogue explica as mudanças e incide nas aplicações que existem na rede social, anunciando "passos para o futuro" para "prevenir abusos futuros" relativamente à partilha de dados. Assim, a "segurança mais forte" vai na prática:

Desligar aplicações que não são usadas

Se alguém não usar uma app durante três meses, será desligado o acesso por parte dessa aplicação às informações pessoais.

Encorajar as pessoas a gerir as apps

O Facebook promete tornar mais importantes e fáceis de manusear as ferramentas que permitem gerir as aplicações.

Rever a plataforma

O Facebook vai investigar as aplicações que acederam a grandes blocos de informação antes das mudanças de 2014 para reduzir este mesmo acesso. Não é claro se as pessoas serão notificadas, ou se há um sítio onde podem fazer essa verificação. Serão investigadas as apps com atividade suspeita e os criadores que usarem de forma maliciosa informação identificável serão banidos.

Avisar os utilizadores

A rede social compremete-se a dar informação aos utilizadores que foram afetadas nesta situação, da Cambridge Analytica. Além disso, se uma app for removida por roubo ao mau uso de informação, os utilizadores serão também avisados.

Restringir as informações de login

Para iniciar sessão numa aplicação as informação requeridas serão apenas o nome, fotografia de perfil e endereço de e-mail. Para pedir qualquer outro tipo dados o Facebook terá de autorizar.

Denúncias de vulnerabilidades serão premiadas

Quem ajudar a identificar o mau uso de informações por parte de criadores e publicações receberá uma recompensa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.