Jornal do Fundão: fim de ciclo

O Global Media Group acaba de adquirir, às herdeiras de António Paulouro, a participação de capital que ainda detinham na empresa Jornal do Fundão Editora, Lda.

É "o fim de um ciclo" - assinalam Maria Teresa e Maria José Paulouro, na primeira página da edição do jornal em que, pela primeira vez desde a sua fundação, em 1946, o apelido do fundador (e diretor até à data da sua morte, em 2002) deixará de ter qualquer responsabilidade nos destinos de um título singular no panorama da imprensa portuguesa.

Muito mais do que um semanário de vocação regional, comprometido com as grandes causas da coesão territorial e do desenvolvimento do interior, o Jornal do Fundão "é a biografia cívica e cultural feita de palavras", a síntese de uma longa caminhada em que a obra do fundador se edificou "como expressão de uma humanidade comum a milhões de portugueses", como um dia se lhe referiu José Cardoso Pires.

Como este, também José Saramago e Carlos Drummond de Andrade, entre alguns outros maiores da língua portuguesa, ilustraram as páginas do Jornal do Fundão, ao longo de décadas, com diferentes formas de colaboração literária, em especial nos seus suplementos culturais.

Este jornal foi ao fundo da mina e esteve com os mineiros na luta contra a silicose e em todas as batalhas inerentes à condição humana; viajou a salto na aventura de pobre que é a emigração; lutou por cantinas escolares e hospitais; exigiu estradas e caminho-de-ferro contra o isolamento secular; bateu-se pelo regadio e pela agricultura; disse que sem cultura não há desenvolvimento; implicou a solidariedade na luta contra a pobreza; ensinou que o interesse público é o coração do jornalismo; deu voz a quem não a tinha - eis o perfil de um bastião das liberdades, que sofreu a repressão da ditadura, que o calou durante seis meses e depois lhe impôs brutal censura. Por tudo isto - concluem as herdeiras de António Paulouro, no texto que assinam na primeira página do semanário, o Jornal do Fundão é um património inestimável na história da imprensa portuguesa, "bem expresso no ciclo de tempo que agora terminou".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.