Debate Notícias Magazine: "Há tecnologia a mais na vida dos nossos filhos?"

No próximo sábado, a revista Notícias Magazine organiza uma conferência sobre o papel que a tecnologia tem na vida dos jovens

A revista Notícias Magazine vai debruçar-se sobre se "Há tecnologia a mais na vida dos nossos filhos?". O debate realiza-se no próximo sábado no Grande Auditório do ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa -, das 15 às 19 horas, e integra o ciclo de conferências "Retratos de Família".

No programa do evento estão previstos debates, palestras, apresentações e espaço para a intervenção do público.

O jornalista brasileiro Marcos Piangers, um dos oradores convidados da conferência, vai debruçar-se sobre a questão: "Que adultos estamos a criar?: Temos de largar o telemóvel para que eles larguem o telemóvel".

No evento, o youtuber Nuno Agonia vai falar no "Fascínio da tecnologia", o pediatra Paulo Oom na idade a partir da qual as crianças podem ter acesso a écrans e a socióloga Ana Cardoso ira debruçar-se sobre a educação com tecnologia.

Eurodeputados, psicólogos, investigadores, sociólogos e outros especialistas participam na conferência que vai ser moderada por Catarina Carvalho, diretora executiva do Diário de Notícias, do Global Media Group, e pelo editor executivo da Notícias Magazine, Paulo Farinha, e pela editora Catarina Pires.

Para participar, deve inscrever-se aqui.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.