Cinema chinês estreia na Netflix Portugal

Crouching Tiger, Hidden Dragon: Sword of Destiny é a mais recente produção chinesa a chegar à Netflix

O Tigre e o Dragão: a Espada do Destino (título em português) conta com emblemáticas figuras do cinema asiático, como Michelle Yeoh (O Tigre e o Dragão e Memórias de uma Geisha) e Donnie Yen (O Grande Mestre 1 & 2). Yuen Wo-Ping, coreógrafo de artes marciais nos filmes da trilogia Matrix e Kill Bill 1 e 2, - e ator em vários filmes do género - está de regresso à realização seis anos depois da sua última longa-metragem, Su Qui-er - A Lenda.

Crouching Tiger, Hidden Dragon: Sword of Destiny, que estreia em exclusivo na plataforma de streaming no dia 26 de fevereiro, é a sequela da premiada película O Tigre e o Dragão. O filme realizado pelo mítico cineasta Ang Lee arrecadou, na cerimónia dos Óscares de 2001, quatro estatuetas douradas, incluindo a de melhor filme estrangeiro e a de melhor música original.

A estratégia de conteúdos exclusivos na Netflix tem sido aposta constante, estando no leque produções de renome como a vencedora de dois Globos de Ouro House of Cards ou Orange is the New Black (indisponíveis na Netflix Portugal devido a direitos exclusivos do canal TV Séries), Narcos e Making a Murderer.

Fazem também parte da equipa técnica relevantes personalidades de Hollywood: Tom Sigel, diretor de fotografia em Drive e X-Men: Days of Future Past, trabalha com Ngila Dickson, vencedora de um Óscar para melhor guarda-roupa com Senhor dos Anéis. Harvey Weinstein, um dos irmãos da Weinstein Company, também está presente, como produtor, juntamente com Peter Berg e Sarah Aubrey (Friday Night Lights).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.