Conta no Twitter avisa sempre que um ditador aterra em Genebra

Criada por um jornalista, conta pretende trazer transparência ao "mundo secreto" dos ditadores que movimentam capital na Suíça

Um jornalista suíço criou uma conta no Twitter para seguir os movimentos dos ditadores que aterram no aeroporto de Genebra. Segundo o The Verge, trata-se de um bot, um sistema que automaticamente monitoriza os aviões e os sinaliza, dando conta das chegadas e partidas do aeroporto da cidade suíça.

A conta, com o nome GVA Dictator Alert, foi lançada em abril deste ano e, desde então, já partilhou mais de 80 aterragens e descolagens de diferentes aviões transportando dirigentes de governos repressivos ou ditatoriais.

O objetivo, revelou o jornalista François Pilet, é tornar mais transparente um "mundo muito secreto". Admite que, por vezes, as deslocações a Genebra dos governantes possam ser legítimas, uma vez que a cidade acolhe as sedes de várias organizações internacionais, inclusivamente escritórios das Nações Unidas, mas revelar os movimentos dos ditadores permitirá traçar padrões que ajudem os jornalistas a investigar se há indícios de que se desloquem à Suíça para procurar soluções de evasão fiscal ou branqueamento de capitais, assinala Pilet.

Esta terça-feira, por exemplo, a conta no Twitter anuncia que a procuradoria suíça abriu uma investigação ao presidente da Guiné Equatorial devido às constantes deslocações de Obiang a território helvético.

Entretanto, vai dando conta das movimentações de outros dirigentes, revelando, por exemplo, que um avião que transportava a família real do Qatar aterrou sexta-feira e saiu de Genebra no domingo e que, na quarta-feira da semana passada, um Boeing 737 usado pelo governo do Cazaquistão descolou da cidade.

Exclusivos

Premium

Livro

Antes delas... ninguém: mulheres que desafiaram o domínio masculino

As Primeiras - Pioneiras Portuguesas num Mundo de Homens é o livro com as biografias de 59 mulheres que se atreveram a entrar nas profissões só de homens. O DN desvenda-lhe aqui oito dessas histórias, da barrista Rosa Ramalho à calceteira Lurdes Baptista ou às 'Seis Marias' enfermeiras-paraqueditas, entre outras