Rádio pública na Madeira soma 50 anos de uma história que até inclui bombas

A rádio pública celebra hoje 50 anos de presença na Madeira, durante os quais foi alvo da primeira bomba da FLAMA e percursora do primeiro canal de música para jovens, hoje Antena3.

Foi a 22 de outubro de 1967 que entrou em funcionamento o Emissor Regional da Madeira, da então Emissora Nacional (EN), no número 27 da rua dos Netos, no Funchal.

Em 1976 foi criada a Radiodifusão Portuguesa, com uma delegação na Madeira, que em 1996 adotou a atual designação de Antena1-Madeira e, em 2005, ficou como Rádio e Televisão de Portugal (RTP) da região.

Para o diretor da RTP/Madeira, Martim Santos, esta data está carregada de simbologia.

"Os 50 anos da rádio no arquipélago da Madeira reafirmam a atualidade da nossa missão, enquanto prestador de serviço público, permitem uma chamada de atenção para os tempos desafiantes que vivemos atualmente, neste setor, principalmente a nível tecnológico, mas também permitem fazer uso da notável capacidade de adaptação reconhecida à rádio para, de uma forma inovadora e ambiciosa, vencer este desafio", declarou.

O responsável reconheceu também a "importância da rádio na história recente", patente naquele que foi o primeiro ensaio para a hoje Antena3 quando, em 1989, se lançou na Madeira o canal de frequência modelada, Super FM, o primeiro canal vocacionado para a música e para os jovens.

Na região, o canal de FM da Antena3-Madeira existe desde 1996.

A história da rádio pública na Madeira passa também pelo período de transição da ditadura para a democracia e para a criação da Região Autónoma da Madeira, ao acompanhar a instabilidade política e social da altura, tendo sido, inclusive, alvo da luta independentista da Frente de Libertação do Arquipélago da Madeira (FLAMA) em dois momentos distintos.

O primeiro alvo de uma bomba da FLAMA foram precisamente as instalações da Emissora Nacional, no dia 09 de agosto de 1975, às 02:45: "200 gramas de dinamite causam poucos estragos", recorda o documentário "Uma história da Autonomia", da autoria do jornalista Paulo Santos, emitido pela RTP em 2016,

Depois deste primeiro ataque bombista da FLAMA, a rádio pública foi atacada uma segunda vez, a 22 de agosto de 1975. Desta feita a bomba foi colocada no centro emissor situado na freguesia do Monte, no Funchal, com estragos avultados e "com um impacto mediático maior".

A operação foi levada a cabo pela FLAMA porque a "programação da rádio não agradava".

A história não se fica por aqui, já que, a 07 de outubro do mesmo ano, um grupo de retornados das ex-províncias Ultramarinas liderado pelo capitão miliciano João Machado, com ligações ao movimento independentista, ocupou os estúdios.

Segundo o documentário, pela cidade circulava a notícia de que a FLAMA estava por detrás da ocupação e se preparava para declarar a independência da Madeira, algo que acabou por não acontecer.

O que estava "para ser uma intervenção transforma-se em ocupação", com um resultado final de "avultados danos materiais e 70 feridos".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...