Venezuela vai lançar novo satélite de comunicações com o apoio da China

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou hoje que, com o apoio da China, prevê lançar em breve um novo satélite de comunicações no espaço.

"Guaicaipuro [nome do satélite] chegará ao espaço sideral. É um satélite ultramoderno. Estive a ver as caratecrísticas técnicas, dos serviços de internet, telefonia, televisão, redes sociais", disse.

O Presidente da Venezuela falava aos jornalistas no palácio presidencial de Miraflores, em Caracas, na sua primeira conferência de imprensa ao regressar de uma visita à China.

"A Venezuela vai poder ter a sua própria rede social, por exemplo, sustentada no satélite Guaicaipuro", disse, sublinhando que o país precisa de continuar a melhorar o serviço de internet.

Maduro explicou que o lançamento do satélite faz parte dos novos acordos com a China e que nos próximos dias terá lugar a assinatura do contrato daquele que será "o quarto satélite" venezuelano de telecomunicações.

Atualmente, a Venezuela tem três satélites colocados no espaço, o Simón Bolívar (lançado a 29 de outubro de 2008 e dedicado às telecomunicações), o Francisco de Mirando (lançado a 28 de setembro de 2012 e dedicado à observação terrestre), e o António José de Sucre, para inspecionar os recursos da terra, lançado a 9 de outubro de 2017.

O chefe de Estado venezuelano não informou sobre o custo do satélite nem como será financiado, mas reiterou que o país sofre uma "guerra económica" liderada pelos Estados Unidos e os poderes económicos da região.

Os venezuelanos queixam-se, com frequência, da lentidão do serviço de ligação à internet e de dificuldades para estabelecer comunicações estáveis.

Também o principal operador do país, a estatal Cantv, impede o acesso a vários sítios da internet, entre eles o jornal www.el-nacional.com e os portais www.lapatilla.com, www.vpitv.com e www.efectocoyuco.com por manterem uma posição crítica do regime.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.