Terceira edição do Prémio Paula Rego recebe candidaturas até 19 outubro

A terceira edição do Prémio Paula Rego, dirigida apenas a alunos da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa (FBAUL), vai receber candidaturas até 19 de outubro, foi hoje anunciado pela organização.

De acordo com a FBAUL, a terceira edição do Prémio Paula Rego é a última do conjunto de três edições dedicadas exclusivamente aos alunos da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa.

Na primeira edição, em 2016, a obra escolhida pela pintora Paula Rego para integrar a sua coleção pessoal foi "O Presente/the Gift", de Margarida Lestra Salvador.

Nicoleta Sandulescu foi a vencedora da segunda edição do Prémio Paula Rego, com a obra "Comeste? Sim, Mãe".

Podem concorrer a este prémio todos os alunos inscritos nos cursos do 1.° e 2.° ciclos da FBAUL, têm de ter matrícula válida à data da candidatura (ano letivo 2018/19 ou ano letivo 2017/18) e de ter completado o ciclo de estudos.

A submissão da obra original a concurso é feita 'online' até ao dia 19 de outubro de 2018, mediante uma fotografia, e o preenchimento completo da ficha de inscrição.

No ano passado, ao prémio, no valor de mil euros, apresentaram-se 85 candidatos, e as 37 obras escolhidas por Paula Rego numa primeira seleção, foram expostas na Casa das Histórias, até 08 de janeiro deste ano.

Nesta segunda edição, a pintora destacou mais cinco obras de que gostou especialmente: "A aula de natação", de Maria Inês Alves, "Mrs May's dream", de Mariana Tilly, "Gira-sol", de Beatriz Fernandes, "Já estive aí", de Catalina Sandulescu, e "O Caçador", de Sara Tristão.

Este desafio do prémio foi lançado pela artista plástica portuguesa, radicada em Londres, aos jovens alunos de Belas-Artes, para os incentivar a criar um desenho que conte uma história.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.