Filmes em português no CineEco abordam questões ambientais e dos países de língua portuguesa

Os filmes em língua portuguesa que vão ser apresentados no Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra da Estrela, em Seia, abordam questões ambientais nacionais e dos países de língua oficial portuguesa, foi hoje anunciado.

O 24.º CineEco - Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra da Estrela, organizado pela Câmara Municipal de Seia, no distrito da Guarda, vai decorrer entre 13 e 20 de outubro, na Casa Municipal da Cultura de Seia e no Centro de Interpretação da Serra da Estrela.

Segundo a organização, na edição deste ano, a juntar às competições internacionais, "serão 17 os filmes que olham algumas das mais atuais e pertinentes questões que afetam a gestão de recursos naturais" e o impacto que as mesmas têm "na vida do dia-a-dia de Portugal e dos países de língua oficial portuguesa".

"Da necessidade de repensar a reflorestação, ao impacto das grandes obras públicas nos recursos essenciais dos países, passando pelo isolamento das populações e a poluição aquática, se desenha o quadro da forma como o homem continua a viver à margem do ambiente", referem os promotores em comunicado hoje enviado à agência Lusa.

Segundo a fonte, nas longas-metragens de língua oficial portuguesa, estará em destaque "Deserto Verde", de Davide Mazzocco, um documentário "que reflete sobre os impactos da monocultura dos eucaliptos, uma das principais causas do incêndio em Pedrógão Grande".

São ainda apresentadas, entre outras, as produções "Construindo Pontes", de Heloisa Passos, Brasil, sobre um paraíso natural destruído no início dos anos 1980 para a construção da maior barragem hidroelétrica do mundo, e "Nove Meses de Inverno e Três de Inferno", de João Pedro Marnoto, que retrata a relação com a terra, a fé e o progresso nas terras de Trás-os-Montes.

Nas curtas-metragens serão apresentadas obras como "A Aldeia Solitária", de Carlos Silveira, "E o vento Ardeu", de Patrícia Matos, "Outro Fogo", de Guilherme Moura, e Alfaião, de André Almeida Rodrigues.

A organização adianta na nota que toda a programação do festival CineEco 2018, incluindo atividades paralelas e o anúncio dos filmes do panorama regional, será apresentada no dia 22.

O CineEco é um dos festivais de cinema de ambiente mais antigos do mundo, é membro fundador e faz parte da direção da Green Film Network, uma plataforma de 40 festivais de cinema ambiental.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.