Enfermeiros e utentes exigem mais profissionais de saúde no litoral alentejano

Perto de cem pessoas, entre enfermeiros, utentes e autarcas, participaram hoje numa concentração em frente ao Hospital do Litoral Alentejano, no concelho de Santiago do Cacém, para exigir a contratação de mais profissionais de saúde.

O protesto foi convocado pelo Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), após tomar conhecimento do "despedimento" de enfermeiros com contratos de substituição, embora a falta de profissionais de saúde na Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA) já tenha sido reconhecida pelo conselho de administração.

"Neste momento, temos confirmado o despedimento de dez enfermeiros quando o próprio conselho de administração refere que tem falta de 90", disse hoje aos jornalistas Zuraima Prado, dirigente do SEP.

A sindicalista afirmou que "a atividade assistencial já está seriamente comprometida, nomeadamente com o encerramento de camas e com alteração dos mapas cirúrgicos", algo que considerou "vergonhoso".

O enfermeiro Luís Matos, que trabalha no HLA, referiu ter tido hoje conhecimento de que "mais uma colega do Serviço de Urgência irá terminar o contrato até ao fim do mês".

"Temos a urgência caótica, os doentes não sobem para os serviços porque têm camas encerradas, nomeadamente o serviço de ortopedia tinha cerca de oito camas fechadas, os doentes acabam por ficar na urgência e numa urgência com capacidade para 14 doentes temos neste momento 22 internados", alertou o enfermeiro, que é também dirigente do SEP.

Além disso, acrescentou, a equipa de enfermagem no Serviço de Urgência, "que inicialmente seriam oito enfermeiros de manhã, oito à tarde e sete à noite", está atualmente "a fazer turnos com seis enfermeiros", ou seja, com "uma redução de dois enfermeiros por turno".

Para o representante das comissões de utentes, Dinis Silva, a falta de profissionais de saúde implica que "não há segurança para os utentes".

Os utentes destacaram ainda a falta na ULSLA de especialistas como pediatras, urologistas, ginecologistas, otorrinolaringologistas, de medicina física e reabilitação, cardiologistas, oncologistas e de medicina geral e familiar.

"A saúde é um direito, sem ela nada feito" foi o mote entoado em diversos momentos ao final da tarde pelos manifestantes, que se concentraram, pelas 17:30, sob a chuva, junto à portaria do HLA, e se deslocaram depois até à entrada principal da unidade hospitalar, para entregar uma moção aprovada em que exigem "soluções imediatas".

"Não é admissível que não haja, por parte do ministro da Saúde/ministro das Finanças, um despacho favorável à contratação de profissionais de saúde na ULSLA, EPE, e a aprovação do mapa de pessoal desta instituição, adequado às reais necessidades das populações", pode ler-se no documento.

Na moção, que vai ser remetida, além do conselho de administração da ULSLA, ao Presidente da República, ao primeiro-ministro, ao ministro da Saúde, aos grupos parlamentares, autarquias locais e ao presidente da Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo, é exigida a "admissão imediata e com vínculo definitivo" de profissionais de saúde e técnicos operacionais.

O documento pede ainda "restabelecimento da totalidade de vagas dos vários serviços do HLA", o "cumprimento dos tempos máximos de resposta garantidos nas consultas, cirurgias e exames complementares de diagnóstico" e ainda obras de melhoramento em várias extensões de saúde.

O protesto, em que participaram enfermeiros e outros profissionais dos serviços de saúde, utentes e autarcas, contou também com a presença da deputada à Assembleia da República eleita pelo PCP Paula Santos.

O Conselho de Administração da ULSLA não esteve disponível para prestar declarações.

A ULSLA é composta pelo HLA e pelos centros de saúde dos concelhos de Alcácer do Sal, Grândola, Santiago do Cacém e de Sines, no distrito de Setúbal, e Odemira, no distrito de Beja, abrangendo uma população residente de cerca de 97 mil habitantes.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.