Embaixador português na UE diz que Portugal tem confiança e credibilidade

O representante permanente de Portugal junto da União Europeia, Nuno Brito, distinguido com o prémio de melhor diplomata económico do ano, destacou hoje que o país conseguiu "muitas coisas" porque lhe são reconhecidas confiança e credibilidade.

O embaixador Nuno Brito recebeu hoje o prémio Francisco de Melo e Torres, atribuído pela Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa (CCIP), durante o seminário diplomático, iniciativa anual que reúne os embaixadores portugueses e membros do Governo e representantes da administração pública, da comunidade empresarial e da sociedade civil, anunciou a organização.

Segundo a CCIP, a distinção deveu-se ao "grande trabalho realizado no âmbito da saída de Portugal do procedimento por défice excessivo e os esforços diplomáticos para a eleição do ministro das Finanças [Mário Centeno] para a presidência do Eurogrupo".

"Uma das razões importantes deste prémio, este ano, está ligada a um fator que é muito importante que os portugueses conheçam, em geral. Muitas coisas tornam-se possíveis porque o país tem hoje uma confiança e uma credibilidade que são reconhecidas. Isso torna a vida dos diplomatas mais interessante, embora não menos difícil", considerou o embaixador, em declarações à Lusa.

"Eu sinto-me feliz, como diplomata, por representar um país que se encontra praticamente normalizado nas suas relações com o mundo e com a União Europeia", destacou.

O diplomata defendeu que o prémio também reconhece o "esforço que a representação permanente tem feito em vários dossiês", recordando que é "a primeira linha de defesa dos interesses dos portugueses nos dossiês europeus".

Nuno Brito, embaixador português junto da União Europeia desde 2015, adiantou que vai aplicar o valor do prémio -- 25 mil euros - no lançamento de um concurso de ideias na representação permanente de Portugal em Bruxelas para encontrar propostas "para ajudar as empresas portuguesas em termos de política europeia".

O embaixador destacou que este prémio tem "um significado especial" porque é uma das poucas distinções entregue pela sociedade civil aos diplomatas.

"Boa parte do trabalho que fazemos tem a ver com os cidadãos, mas isso não é percetível de forma imediata", considerou.

O prémio -- com o nome de um prestigiado diplomata português do século XVII --, que vai na quinta edição, distingue o chefe de missão diplomática que se tenha destacado no apoio à internacionalização de empresas portuguesas e na captação do investimento estrangeiro, contribuindo para o crescimento da economia portuguesa.

Em anos anteriores foi entregue a Francisco Ribeiro Telles (2013, então embaixador em Brasília); Luís de Almeida Sampaio (2014, Berlim); José Augusto Duarte (2015, Maputo), e Jorge Torres Pereira (2016, Pequim).

O júri é presidido pelo embaixador António Monteiro (ministro dos Negócios Estrangeiros do Governo de Pedro Santana Lopes, entre 2004 e 2005) e integra o presidente da CCIP, Bruno Bobone; o vice-presidente, Paulo Portas (ministro da Defesa nos governos de Durão Barroso e Santana Lopes e dos Negócios Estrangeiros e vice-primeiro-ministro no executivo de Pedro Passos Coelho), e ainda Miguel Horta e Costa, membro da direção da Câmara de Comércio e Indústria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".