Brasil e Espanha promovem a criação de escolas bilingues de português e espanhol

Brasil e Espanha assinaram hoje um acordo em que se comprometem a impulsionar a instalação de escolas bilingues de português e espanhol nas áreas de fronteira, numa iniciativa da Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI), que também contará com Portugal.

O memorando de entendimento foi assinado hoje, em Brasília, pelo ministro brasileiro da Educação, Rossieli Soares, e pelo embaixador de Espanha em Brasília, Fernando Garcías Casas, numa cerimónia que contou com a presença do secretário-geral da OEI, Mariano Jabonero.

A esta iniciativa também se juntarão outros países, como Portugal e Colômbia, com a assinatura de acordos semelhantes.

O acordo está enquadrado no programa ibero-americano de difusão da língua portuguesa, uma iniciativa da OEI que visa oferecer o ensino de espanhol e português em escolas públicas nos municípios fronteiriços, assim como a formação de professores de português para países ibero-americanos.

Segundo a apresentação do projeto feita durante o evento por Mariano Jabonero, a iniciativa de promover escolas bilingues e a interculturalidade nas fronteiras começará a funcionar em 2019.

"Em ambos os lados da fronteira, os estudantes das 'escolas-espelho' receberão uma educação intercultural, em espanhol e português, por parte de um conjunto de professores de diferentes nacionalidades e que terá mobilidade docente", disse a OEI em comunicado.

A iniciativa beneficiará, numa fase inicial, municípios das fronteiras entre Espanha e Portugal, assim como entre o Brasil e Argentina, Bolívia, Colômbia, Paraguai, Peru e Uruguai.

De acordo com a OEI, o objetivo é que a educação bilingue seja oferecida desde o ensino primário, "quando a capacidade do aluno para aprender línguas é maior, assim como a sua permeabilidade para conhecer a cultura do outro".

A iniciativa também prevê o intercâmbio de professores entre os países envolvidos para garantir a prática uma maior experiência intercultural.

"Este programa é uma proposta de educação que promove um diálogo entre iguais, entre pessoas e culturas nas línguas maternas mais difundidas nestes países: o português e o espanhol", disse Jabonero.

De acordo com dados da OEI, o português é o quarto idioma mais falado no mundo, sendo ainda o mais utilizado no hemisfério sul e o terceiro no hemisfério ocidental, enquanto o espanhol é a segunda língua mais falada no mundo, apenas superada pelo mandarim, da China.

A OEI tenciona também, em colaboração com os ministérios da Educação dos países participantes, formar professores de português e desenvolver metodologias específicas para o ensino desta língua.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.