Belas Artes exibe obras restauradas inéditas de Adriano de Sousa Lopes

Um conjunto de obras restauradas do artista Adriano de Sousa Lopes (1879-1944) vai ser exibido ao público pela primeira vez, a partir de 26 de abril, na galeria da Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa (FBAUL).

Intitulada "Adriano de Sousa Lopes --- Conservação e Restauro das Obras Académicas pertencentes ao Espólio da FBAUL", a exposição é inaugurada no dia 26 de abril, às 18:00, na Galeria das Belas-Artes.

A mostra é o resultado do trabalho de restauro das pinturas de Adriano de Sousa Lopes, realizado por Liliana Cardeira, no âmbito do seu doutoramento, de acordo com a FBAUL.

Trata-se de uma coleção de obras inéditas que fazem parte do acervo da FBAUL e que serão mostradas pela primeira vez ao público, assinala a entidade.

Adriano de Sousa Lopes entrou nas Belas-Artes de Lisboa em 1895, e ali foi aluno de Veloso Salgado (1864-1945), e de Luciano Freire (1864-1935).

Prémio Anunciação em 1900, parte para Paris em 1903 com uma bolsa do Legado Valmor, e durante esta primeira estadia em Paris frequenta a École Nationale de Beaux-Arts e a então famosa Académie Julien.

Expôs no Salão de Outono e, em 1907 e em 1908, viajou até Veneza, num prelúdio das viagens que mais tarde fará pela Europa e pelo norte de África.

Com a entrada de Portugal na I Guerra Mundial parte, em 1917, para a frente de batalha, integrando o Corpo Expedicionário Português.

Como oficial artista, o único entre as tropas portuguesas, regista o conflito militar e a vida dos soldados nas trincheiras do norte de França.

"Desta experiência resultará um trabalho único na história da arte portuguesa", recorda a FBAUL.

Além das pinturas de Adriano de Sousa Lopes agora mostradas, a coleção das Belas-Artes integra ainda seis desenhos e 24 gravuras do artista.

Destas, dez estão diretamente relacionadas com a sua experiência na frente de guerra e com o trabalho daí resultante.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".