Quer beber um gin com Fernando Pessoa ou Marilyn? Esta noite pode

A artista americana Eileen McDonough juntou-se ao Gin Lovers para uma exposição pop up. Quem hoje for ao Embaixada no Príncipe Real, em Lisboa, pode escolher com quem quer jantar: além do poeta português, Amália Rodrigues, John Lennon, Frida Kahlo, Audrey Hepburn, Mozart, David Bowie e Marilyn Monroe.

Faltava poucos dias para o Natal e Eileen McDonough estava no Gin Lovers no Príncipe Real, em Lisboa, a olhar do andar de cima para as mesas do bar e restaurante quando lhe surgiu a ideia. "De repente pensei: isto deve ficar muito cool com mesas de mosaico". Ora os mosaicos são a vida desta americana que desde 1994 elegeu a capital portuguesa para viver. "Decidi propor-lhes fazer uma exposição pop up". E não hesitou no tema: "Tinha estado a pensar naquele jogo de quem é que traria do mundo dos mortos para o jantar ideal. Foi assim que Fernando Pessoa, Amália Rodrigues, David Bowie, Frida Kahlo, John Lennon, Marilyn Monroe, Audrey Hepburn e Mozart apareceram para fazer companhia a quem esta quarta-feira for jantar ao Gin Lovers.

A escolha foi da própria Eileen. "Tinham de ser figuras icónicas, porque eu traria os meus pais para um jantar ideal mas ninguém os iria reconhecer!", lança a americana com uma gargalhada.

Saudando a resposta positiva dos responsáveis pelo Gin Lovers, que atribui ao "espírito criativo" de quem "pensa à frente do seu tempo", Eileen descreve as suas obras como "uma coisa funky. Fiz a Audrey Hepburn com tatuagens nos braços. Mas no Fernando Pessoa meti alguns dos seus versos e o Mozart aparece como um amante de gin", num piscar de olho aos anfitriões por uma noite.

Uma só noite? "São oito mesas nesta quarta à noite e depois ficam duas ou três durante um mês e vão rodando", explica Eileen. O material é o que marca a obra desta mulher que trocou uma carreira na editora Macmillan Publisher por umas aulas de inglês em Portugal e ao chegar a Lisboa se apaixonou pela calçada portuguesa: pedacinhos de mosaico e de vidro partido.

A opção por mesas foi apenas prática. "Eles tinham mais dificuldade em pendurar obras nas paredes ", explica. É isso até jogou com o tema. "Gosto da ideia de mesas porque jogam com a ideia de além de estar a jantar com o Mozart, pode jantar em cima do Mozart. É divertido".

E quem gostar muito da mesa na qual jantou terá a oportunidade de a levar para casa. Todas as obras de Eileen estão para venda. No seu formato mesa ou adaptadas para serem penduradas na parede. Os preços, esses, variam entre os 750 euros para uma mesa quadrada (de 85cm x 85 cm) com a base em ferro e os 550 só para o tampo de uma redonda (com 60 cm de diâmetro).

"Tudo vai estar à venda. E o preçário explica claramente que cada obra pode ser usada como tampo de mesa ou ser adaptada para pendurar nas paredes. Porque as pessoas geralmente não têm muito espaço em casa para mais mesas!", lembra Eileen, antes de garantir que o objetivo não é tornar as suas mesas "elegantes, até porque elas são "rústicas como a calçada".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG