Rússia quer rendição para libertar ucranianos e voltar às negociações

Lavrov disse que o objetivo da invasão russa da Ucrânia ordenada pelo Presidente Vladimir Putin é libertar os ucranianos da opressão.

A Rússia quer que as forças armadas da Ucrânia deponham as armas para "libertar os ucranianos da opressão" e regressar às negociações, disse esta sexta-feira o chefe da diplomacia russa, Sergei Lavrov.

"Estamos prontos para negociações em qualquer altura, assim que as forças armadas ucranianas ouvirem o nosso apelo e depuserem as armas", disse Lavrov numa conferência de imprensa em Moscovo, citado pelas agências espanhola EFE e francesa AFP.

Lavrov disse que o objetivo da invasão russa da Ucrânia ordenada pelo Presidente Vladimir Putin é libertar os ucranianos da opressão, numa indicação de que Moscovo pretende derrubar o atual Governo do Presidente Volodymyr Zelensky.

"O Presidente Putin tomou a decisão para esta operação militar especial de desmilitarizar e desnazificar a Ucrânia para que, libertados desta opressão, os ucranianos possam escolher livremente o seu futuro", disse.

A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já provocaram pelo menos mais de 120 mortos, incluindo civis, e centenas de feridos, em território ucraniano, segundo Kiev. A ONU deu conta de 100.000 deslocados no primeiro dia de combates.

O Presidente russo explicou a "operação militar especial" na Ucrânia com a necessidade de "desmilitarizar e desnazificar" o seu vizinho e disse que era a única maneira de o país se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário, dependendo de seus "resultados" e "relevância".

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e motivou reuniões de emergência de vários governos, incluindo o português, e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), União Europeia (UE) e Conselho de Segurança da ONU, tendo sido aprovadas sanções em massa contra a Rússia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG