Rio de Janeiro retira obrigatoriedade do uso de máscara ao ar livre

O decreto publicado pela prefeitura carioca mantém o uso de máscara obrigatório em locais fechados e nos transportes públicos.

O Rio de Janeiro confirmou esta quarta-feira num decreto que não exigirá mais uso de máscara ao ar livre para evitar a propagação da covid-19, medida que Brasília, capital do Brasil, também começará a aplicar na próxima semana.

A decisão foi anunciada na noite de terça-feira pelo prefeito de câmara carioca, Eduardo Paes, depois de a Assembleia Legislativa do estado do Rio de Janeiro aprovar a retirada da exigência de máscara ao ar livre em todos os municípios do estado.

Além disso, a comissão científica que orienta a prefeitura de câmara do Rio de Janeiro também confirmou que o fim da obrigatoriedade de máscara em locais abertos era segura já que 65% dos cariocas estão imunizados.

O decreto publicado pela prefeitura carioca torna o uso de máscara opcional em locais exteriores, mas mantém a obrigatoriedade do uso em locais fechados e nos transportes públicos.

A medida deverá entrar em vigor na quinta-feira, quando o governador do Rio de Janeiro, Carlos Castro, pretende sancionar e publicar o projeto de lei aprovado pela Assembleia Legislativa que abriu caminho para esta decisão nas cidades do estado.

"Estamos caminhando para 70% dos vacinados com a segunda dose, além de termos 99% da população [acima de 12 anos] com a primeira [dose], o que nos torna uma das cidades com um dos maiores índices de vacinação", disse Pais, num vídeo publicado nas redes sociais. "Não há dúvida de que estamos vencendo a pandemia", acrescentou o prefeito.

Apesar da decisão de Paes, os cariocas expressaram medo de sair às ruas sem a máscara e vários indicaram nas redes sociais que só a tirarão quando a pandemia acabar.

A prefeitura do Rio de Janeiro também suspendeu a proibição de discotecas e boates, que poderão reabrir com 50% de sua capacidade e com a condição de que as pessoas que frequentem estes locais estejam totalmente imunizadas.

A medida adotada pelo Rio de Janeiro entrará em vigor também em Brasília a partir de 03 de novembro.

A medida adotada pela prefeitura do Rio de Janeiro foi aplaudida pela população em geral, mas especialistas consideram-na uma ação ainda prematura.

"Embora o município do Rio de Janeiro tenha pouco mais de 65% de sua população vacinada, não podemos garantir que seja um número grande o suficiente para bloquear a circulação do vírus", afirmou Rafael Guimarães, pesquisador do Observatório da Covid da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

O especialista reconhece a redução substancial de casos graves e fatais de covid-19 na cidade graças à vacinação, mas qualificou a decisão como errada, já que o vírus só será controlado quando 80% da população estiver imunizada.

Guimarães destacou que o novo coronavírus não será controlado apenas com a imunização e precisa do acompanhamento constante de medidas como o uso de máscaras para contê-lo, e lembrou o caso da Inglaterra, que, com menos de 60% de sua população vacinada, se despediu das máscaras em julho passado e agora regista um novo pico de infeções, com uma média próxima a 45 mil casos positivos diários.

O Rio de Janeiro espera que até novembro todos os maiores de 12 anos estejam totalmente imunizados na cidade para poder garantir a comemoração do Réveillon e do Carnaval em 2022.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG