Reino Unido aprova vacina de dose única da Johnson & Johnson

Aprovada esta sexta-feira pela Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde (MHRA, sigla em inglês) britânica, essa vacina vai juntar-se às vacinas da Pfizer, AstraZeneca e Moderna já utilizadas no país.

O Reino Unido aprovou esta sexta-feira a vacina de dose única contra o novo coronavírus da Janssen, grupo farmacêutico do gigante norte-americano Johnson & Johnson, acrescentando uma quarta vacina ao seu arsenal na luta contra a pandemia, disse o Departamento de Saúde britânico.

Aprovada esta sexta-feira pela Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde (MHRA, sigla em inglês) britânica, essa vacina vai juntar-se às vacinas da Pfizer, AstraZeneca e Moderna já utilizadas no país.

A MHRA disse que a vacina de dose única feita pela Johnson & Johnson atendeu aos "padrões esperados de segurança, qualidade e eficácia".

A agência reguladora disse que a vacina desenvolvida pela Janssen demonstrou ter, em geral, uma eficácia de 67% na prevenção da covid-19 e 85% eficaz na prevenção de doença grave ou hospitalização.

Na rede social Twitter, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, saudou "uma notícia muito bem-vinda", destacando o "papel importante" que a vacina de dose única terá na campanha de vacinação britânica.

O Ministro da Saúde britânico, Matt Hancock, saudou um "impulso adicional" no programa de vacinação britânico, "que já salvou 13.000 vidas".

Esta vacina "terá um papel importante nos próximos meses, à medida que redobramos os nossos esforços para encorajar todos a serem vacinados e potencialmente iniciar um programa de reforço no final do ano", acrescentou Hancock.

A vacina pode ser armazenada em temperaturas entre os 2 a 8 graus Celsius, o que o regulador disse que o torna "ideal para distribuição em lares de idosos e outros locais".

O país mais atingido pela pandemia na Europa com quase 128.000 mortes, o Reino Unido lançou uma campanha de vacinação em massa em dezembro que permitiu que uma primeira dose fosse administrada a mais de 38 milhões de pessoas (73,3% da população adulta) e uma segunda para mais de 24 milhões (45,6% dos adultos).

O Reino Unido tem visto um aumento modesto em novos casos nos últimos dias, como resultado da variante descoberta na Índia, que é considerada mais transmissível do que a cepa anteriormente dominante do vírus.

Na quinta-feira, o país registou 3.542 novos casos confirmados, o seu maior número diário desde 12 de abril. O número de casos continua bem abaixo dos cerca de 70 mil registados em meados de janeiro, durante o pico da segunda onda.

Crescem as preocupações de que a próxima flexibilização das restrições do confinamento na Inglaterra em 21 de junho terá de ser adiada se o número de casos continuar a aumentar.

Embora as pessoas mais vulneráveis devam ter proteção com vacina, há preocupações de que o vírus se possa espalhar amplamente entre os adultos mais jovens e que muitos acabem por precisar de ir ao hospital.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG