Papa Francisco pede à Coreia do Norte que o convide para visita

O papa Francisco pediu a Pyongyang que o convidasse para a Coreia do Norte, afirmando que não recusaria uma oportunidade de visitar e trabalhar pela paz.

O papa Francisco pediu a Pyongyang que o convidasse para a Coreia do Norte, afirmando numa entrevista televisiva nesta sexta-feira que não recusaria uma oportunidade de visitar e trabalhar pela paz.

Uma possível visita papal ao país isolado e com armas nucleares foi lançada anteriormente em 2018, quando o ex-presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, lançou conversações diplomáticas com o líder norte-coreano, Kim Jong Un. Moon Jae-in, católico, afirmou durante uma cimeira que o líder da Coreia do Norte tinha manifestado abertura perante tal possibilidade, tendo declarado que estava pronto para receber o Papa "com entusiasmo".

O Papa Francisco respondeu na altura que estaria disposto a ir se recebesse um convite oficial. Mas Pyongyang cortou amplamente o contato com Seul após o colapso de uma segunda conferência entre Kim e o então presidente dos EUA, Donald Trump, em 2019, que deixou as negociações paralisadas.

"Quando eles me convidarem - ou seja, por favor convidem-me - eu não direi não", disse o Papa Francisco à emissora estatal da Coreia do Sul KBS numa entrevista emitida nesta sexta-feira.

"O objetivo é simplesmente a fraternidade", acrescentou. Os laços entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul estão em baixa desde que Seul tem um novo presidente, Yoon Suk-yeol, em maio. Yoon ofereceu ajuda ao Norte em troca da desnuclearização, mas o regime de Kim ridicularizou o plano.

O Norte culpou a Coreia do Sul pelo surto de Covid-19 em maio e, no início deste mês, ameaçou "eliminar" as autoridades de Seul em retaliação. A Coreia do Norte realizou um número recorde de testes de armas este ano, incluindo o disparo de um míssil balístico intercontinental a toda distância pela primeira vez desde 2017.

A trabalhar para a paz

O papa instou repetidamente os coreanos na península a "trabalhar pela paz". "Vocês, o povo coreano, sofreram com a guerra", afirma. A liberdade religiosa está consagrada na constituição do Norte, mas todas as atividades religiosas são proibidas fora das instituições sancionadas pelo Estado.

No início do século 20, antes da divisão da península, Pyongyang era um centro missionário regional com dezenas de igrejas e uma próspera comunidade cristã que lhe rendeu o título de "Jerusalém do Oriente". Mas Kim Il Sung, o falecido líder fundador do Norte e avô do atual governante, viu o cristianismo como uma ameaça e o erradicou por meio de execuções e campos de trabalho forçado.

Desde então, o regime do Norte permitiu que organizações católicas conduzissem projetos de ajuda, mas as relações diretas com o Vaticano são inexistentes

. Quando o Papa Francisco visitou a Coreia do Sul em 2014, realizou uma missa especial dedicada à reunificação das duas Coreias.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG