O milagre da casa que escapou à violência do vulcão de La Palma

A foto foi partilhada por um fotógrafo nas redes sociais e rapidamente se tornou viral. A casa, propriedade de uns dinamarqueses, surge intacta, mas rodeada de lava por todos os lados. Filha do casal já disse que a vai batizar de Casa da Esperança.

A imagem está a dar a volta ao mundo e impressiona. Retrata o milagre da casa de um casal dinamarquês na ilha de La Palma, do arquipélago das Canárias, Espanha, que escapou à lava do vulcão. Foi tirada pelo fotógrafo espanhol Alfonso Escalero (e partilhada pela página do Facebook I Love the World) através de uma câmara num drone, que posteriormente se tornou viral.

Uma fotografia impressionante que é ao mesmo tempo um sinal de esperança, numa altura em que o vulcão Cumbre Vieja perdeu velocidade, mas manteve a capacidade destruidora - desde domingo, já arrasou 166 hectares e destruiu 350 edificações, diz a imprensa espanhola na manhã desta quinta-feira. Mais de seis mil pessoas já foram retiradas das suas casas.

'La Casita" é propriedade de um casal dinamarquês octogenário, que a comprou há cerca de 30 anos e foi fazendo melhoramentos. E foi através da fotografia de Alfonso Escalero e de relatos de uma vizinha que descobriram que não tinha sido consumida pela lava, pois há vários meses que não iam a La Palma, mais concretamente desde a Primavera.

"Conheço esta casa. Fui eu e o meu marido que a construímos", disse citada pelo jornal El Mundo a proprietária.

"Começámos todos a chorar como loucos quando lhe contei que a casa estava intacta. Disseram-me que apesar de não poderem vir até cá agora, estavam aliviados por a casa estar salva. Disseram também que ainda pensam desfrutar do local e que a vão deixar aos três filhos", relatou uma vizinha.

"Eles vinham cá várias vezes por ano, até que chegou a pandemia. Recuperavam aqui energias e voltavam à Dinamarca. Ela entretia-se com as plantas, ele com os muros de pedra. Estão tristes de estar tão longe. E não querem falar com ninguém porque não param de chorar", acrescentou.

Os Cocq visitaram a ilha há cerca de 30 anos e ficaram apaixonados. Por isso resolveram comprar um terreno e uma casa, num local rodeado de palmeiras, que ficava mesmo no caminho da língua da lava do vulcão, mas que de forma surpreendente não foi afetada.

"Os muros de pedra foram construídos pelo meu pai, aos poucos, durante 30 anos. E as palmeiras simbolizam os filhos e os netos. Esta casa é mais do que uma casa para eles, é toda uma vida", contou a filha Yenny Cocq ao jornal espanhol ABC.

"La Casita" está agora rodeada de lava por todos os lados, com um muro de terra incandescente de mais de mil graus com uma altura equivalente a um edifício de três andares. Curiosamente as plantas também se salvaram.

Emocionada, Yenny, que reside em Santa Fé, capital do estado norte-americano do Novo México, nos EUA, diz que agora a casa será batizada com um novo nome, a "Casa Esperança", por de certa forma se ter tornado num sinal de esperança no meio de uma enorme catástrofe.

"Salva ou isolada! Tudo é assim em La Palma. Hoje não tenho coragem de tirar fotografias de dia, sairemos à noite como burros, com os olhos tapados! Desculpem!", escreveu o fotógrafo na página no Instagram I Love the World, onde foi partilhada.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG