Líder deposta Aung San Suu Kyi condenada a quatro anos de prisão

Além de Aung San Suu Kyi, também o antigo presidente Win Myint foi condenado, mas, para já, os dois ex-governantes não darão entrada na prisão. "Eles ainda têm de responder a outras acusações", disse um porta-voz da junta militar.

A líder deposta Aung San Suu Kyi foi esta segunda-feira condenada em Myanmar (antiga Birmânia) a quatro anos de prisão, por incitar à agitação popular e violar regulamentos sanitários da covid-19, disse fonte da junta militar.

Aung San Suu Kyi, de 76 anos, "foi condenada a dois anos de prisão ao abrigo da secção 505(b) e a dois anos de prisão ao abrigo da Lei sobre Desastres Naturais", disse um porta-voz da junta militar, Zaw Min Tun, à agência de notícias France-Presse (AFP).

O antigo Presidente Win Myint foi condenado à mesma pena, acrescentou, precisando que, para já, os dois ex-governantes não darão entrada na prisão.

"Eles ainda têm de responder a outras acusações, a partir dos locais onde se encontram atualmente", disse.

Desde o golpe militar, em 1 de fevereiro, Aung San Suu Kyi tem sido alvo de várias acusações, incluindo incitamento à corrupção, sedição e fraude eleitoral.

A líder deposta arrisca dezenas de anos de prisão se vier a ser condenada pelos crimes de que é acusada.

Os jornalistas não podem assistir aos julgamentos do tribunal especial e os advogados de Suu Kyi foram proibidos de falar à imprensa.

Desde o golpe de Estado que depôs Aung San Suu Kyi, o exército reprimiu violentamente as manifestações contra o regime, em ações que levaram à detenção de cerca de dez mil pessoas e à morte de pelo menos 1.300 civis, de acordo com a organização não-governamental Associação de Assistência aos Presos Políticos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG