Novo balanço das intempéries na Alemanha aponta para 59 mortes

Fortes tempestades e chuvas torrenciais atingiram a Alemanha nas últimas horas. Pelo menos seis edifícios ruíram em Ahrweile, o estado federal da Renânia-Palatinado.

As autoridades alemãs anunciaram esta quinta-feira à noite que o número de vítimas mortais das históricas intempéries que varreram o oeste da Alemanha subiu para 59, mais 14 do que no balanço anterior. Também a Bélgica foi afetada pelo mau tempo, com o país a registar vítimas mortais e vários desaparecidos.

A polícia da região da Renânia do Norte-Vestafalia adiantou ter encontrado esta quinta-feira mais cinco corpos, aumentando o total de vítimas mortais na zona para 31, enquanto na região vizinha da Renânia-Palatinado foram descobertos mais nove cadáveres, que se juntam aos 19 já contabilizados.

"O número de corpos encontrados aumenta quase hora a hora", indicou um responsável do Ministério do Interior de Renânia do Norte-Vestefália, citado pela agência noticiosa France-Presse (AFP).

O mau tempo sentido na Alemanha é já considerado uma das piores catástrofes naturais desde o pós-guerra.

Várias localidades e cidades foram inundadas devido às cheias provocadas pela subida das águas dos rios, na sequência de chuvas diluvianas.

Na sequência das intempéries, a chanceler alemã, Angela Merkel, garantiu "todo o apoio" aos afetados pelas devastadoras inundações que atingem o oeste do país e provocaram 59 mortes, enquanto dezenas de pessoas estão desaparecidas.

Numa breve declaração aos meios de comunicação a partir de Washington, onde chegou esta quinta-feira naquela que deve ser a última viagem aos Estados Unidos como chanceler, Merkel afirmou ter discutido o assunto com os ministros alemães das Finanças, Olaf Scholz, e do Interior, Horst Seehofer.

"Falamos sobre ajudas na reconstrução a longo prazo, embora logicamente o objetivo prioritário agora é prestar ajuda imediata à população das regiões afetadas", indicou.

A chanceler já tinha expressado consternação com a devastação causada pela tempestade, através da conta na rede social Twitter do porta-voz, Steffen Seibert.

Aos meios de comunicação, qualificou como uma "catástrofe", "impossível de descrever com palavras", a situação vivida nas regiões afetadas, onde dezenas de pessoas tiveram de colocar-se em segurança ao ir para os telhados das suas casas, tendo algumas delas morrido presas no sótão.

Estas são as inundações mais devastadoras do século, piores do que as sofridas pelo leste do país em 2002, a afetam os Estados federais da Renânia do Norte-Vestefália, os mais populosos do país, assim como a vizinha Renânia-Palatinado.

"Vivemos inundações de dimensões catastróficas. Somos uma região habituada a inundações, mas o que vivemos é uma catástrofe", afirmou a líder regional da Renânia-Palatinado, a social-democrata Malu Dreyer.

Merkel explicou aos jornalistas que já tinha contactado Dreyer, com o objetivo de garantir o "máximo apoio" aos afetados a todos os níveis, federal, regional ou local.

Por seu lado, o ministro das Finanças disse que tudo fará para que as regiões atingidas recebam ajuda do governo federal.

O montante dessa ajuda ainda não foi calculado, já que não há uma estimativa total dos danos causados pela subida das águas.

Os serviços meteorológicos do país preveem que as chuvas fortes diminuam nas próximas horas.

População convidada a sair de Liège devido a inundação "excecional" do rio Meuse

A subida do nível do rio Meuse em Liège, leste da Bélgica, obrigou esta quinta-feira as autoridades a aconselhar milhares de residentes nos bairros ribeirinhos a abandonarem as casas, caso seja possível, citando uma "situação de crise excecional".

"São aconselhados a deslocar-se para as partes altas de Liège. Se a evacuação já não for possível, recomenda-se aos cidadãos que não subam e não arrisquem", especifica a mensagem das autoridades transmitida pelos meios de comunicação durante a tarde.

De acordo com as estimativas da região da Valónia, o nível da água "pode subir 1,50 metros acima do nível atual nas próximas horas".

Liège, que tem cerca de 200.000 habitantes, é a quarta cidade mais populosa da Bélgica e os bairros afetados pelas evacuações são os de Coronmeuse, Saint-Léonard, Outremeuse e o centro da cidade.

"A enchente vai ter um caráter muito perigoso em Liège", alertou o presidente da região da Valónia, o ex-primeiro-ministro Elio di Rupo, ao parlamento regional.

O Meuse, perto de Liège, é o recetáculo da grande maioria dos rios no sul e no leste da Bélgica.

Esses rios, particularmente o Ourthe e o Vesdre, aumentaram o fluxo de forma significativa com as chuvas torrenciais dos últimos dias.

Os municípios ribeirinhos destes rios estão submersos desde quarta-feira, nas regiões de Liège e Verviers, em particular Theux, Pepinster e a estância termal de Spa.

Grande parte da cidade de Angleur, na fronteira com Liège, nas margens do Ourthe, foi também inundada.

De acordo com os meios de comunicação belgas, estas inundações causaram a morte de pelo menos seis pessoas no país, incluindo quatro no único distrito de Verviers, no leste. Milhares de pessoas podem ter que vir a ser realojadas pelas autoridades.

Notícia atualizada às 20.55 horas

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG