Irão acusa EUA de procurarem expandir atividades terroristas no Médio Oriente

O secretário do Conselho Supremo de Segurança Nacional do Irão, Ali Shamjaní, acusou hoje os EUA de procurarem expandir atividades terroristas no Médio Oriente e assegurou que o Irão não o permitirá

"A recente medida dos Estados Unidos para fortalecer e expandir atividades terroristas do Estado Islâmico (EI) na região e o brutal ataque às forças antiterroristas da resistência marcam o início de uma nova onda de terrorismo organizado", disse Shamjaní, segundo a agência oficial iraniana de notícias, IRNA.

"O Irão e outros países antiterroristas não o permitirão", sublinhou Shamjaní, durante uma reunião, em Teerão, com o ministro iraquiano dos Negócios Estrangeiros, Fouad Hosein, em visita ao Irão.

O secretário do Conselho Supremo de Segurança Nacional do Irão reiterou, assim, que o atraso na adoção da lei aprovada pelo parlamento iraquiano sobre a retirada de tropas estrangeiras do Iraque "causa o aumento das tensões e intensifica a crise na região".

Hosein, por seu lado, indicou que a segurança e a estabilidade são "a base do desenvolvimento económico e a prosperidade" e que para um país como o Iraque, que esteve durante anos em luta contra o terrorismo e a insegurança, estabelecer a segurança é "a primeira prioridade".

As autoridades do Irão têm reiterado com frequência que as forças norte-americanas devem ser expulsas da região.

A Embaixada dos EUA em Bagdad foi alvo de um ataque, na segunda-feira, com mísseis do tipo katiusha, que atingiram o exterior das instalações, em plena Zona Verde.

Uma semana antes, no passado dia 15, um soldado norte-americano foi ferido e um empreiteiro morreu, em Erbil, capital do Curdistão iraquiano, devido ao impacto de vários foguetes.

Em resposta, os EUA lançaram na quinta-feira ataques aéreos, na província de Deir al Zur, este da Síria, contra milícias apoiadas pelo Irão.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG