Guterres fala em "falha moral". 10 países administraram 75% das vacinas, 130 não receberam uma única dose

O secretário-geral das Nações Unidas lamentou ainda que a pandemia esteja a ser usada por alguns países para suprimir "vozes dissonantes", para "abolir a maioria das liberdades fundamentais" e ainda "silenciar a comunicação social independente".

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, lamentou esta segunda-feira que a pandemia de covid-19 esteja a ser usada por alguns países - que não nomeou - para suprimir "vozes dissonantes" e silenciar a informação independente.

"Utilizando a pandemia como pretexto, as autoridades de alguns países tomaram duras medidas de segurança e adotaram medidas de emergência para suprimir vozes dissonantes, abolir a maioria das liberdades fundamentais, silenciar a comunicação social independente e dificultar o trabalho de organizações não governamentais", lamentou o líder da ONU, na abertura da 46.ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU.

"As restrições ligadas à pandemia servem de pretexto para minar os processos eleitorais, enfraquecer as vozes dos opositores e suprimir as críticas", acrescentou.

"Os defensores dos direitos humanos, jornalistas, advogados, ativistas e até profissionais de saúde têm sido sujeitos a detenções, processos judiciais, intimidação e vigilância por criticarem as medidas - ou a sua falta - tomadas para fazer face à pandemia", considerou.

Além disso, "o acesso a informações vitais tem sido, às vezes, dificultado, enquanto a desinformação aumentou, inclusive a que é passada por alguns líderes", acrescentou, sem dizer quais.

Guterres denuncia o "nacionalismo das vacinas"

No seu discurso anual ao Conselho de Direitos Humanos, o secretário-geral da ONU dedicou grande parte da intervenção à pandemia, destacando que a covid-19 "agravou as vulnerabilidades" e interrompeu a vida de centenas de milhões de famílias, que perderam o emprego ou viram os seus rendimentos caírem a pique.

"A pandemia afetou desproporcionalmente mulheres, minorias, idosos, pessoas com deficiência, refugiados, migrantes e povos indígenas" e "a pobreza extrema está a ganhar terreno", sublinhou.

"Os anos de progressos em relação à igualdade de género foram eliminados", disse, denunciando o "nacionalismo das vacinas": "mais de três quartos das doses de vacinas foram administradas em apenas 10 países, enquanto mais de 130 nações ainda não receberam uma única dose", sublinhou o secretário-geral da ONU.

"Igualdade de acesso às vacinas é uma questão de direitos humanos, o 'nacionalismo das vacinas' vai contra isso. As doses devem ser um bem de acesso público, acessível a todos", defendeu.

"A impossibilidade de garantir o acesso equitativo às vacinas representa uma nova falha moral que nos faz regredir anos", considerou.

Guterres pediu ainda para se "intensificar a luta contra o ressurgimento do neonazismo, da supremacia branca e do terrorismo racial e etnicamente motivado" e uma ação concertada à escala global para acabar com essa "grave e crescente ameaça".

"Mais do que uma ameaça terrorista interna, a situação está a transformar-se numa ameaça transnacional", disse.

"Este é um problema da atualidade que exige uma discussão séria", sublinhou, adiantando ser preciso "um futuro seguro, equitativo e aberto, que não infrinja a privacidade nem a dignidade".

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.461.254 mortos no mundo, resultantes de mais de 111 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 15.962 pessoas dos 797.525 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG