Forte sismo na região norte do Peru faz dois feridos

De acordo com as autoridades, foram registados danos em algumas habitações na região do Amazonas.

Um forte sismo de 7,5 graus de magnitude abalou, este domingo, a selva norte do Peru e uma vasta região distante da costa central do país. De acordo com as autoridades locais, há até ao momento o registo de dois feridos, 75 pessoas afetadas e danos em algumas habitações da região do Amazonas. Não foi emitido qualquer alerta de tsunami.

O abalo foi registado às 5.52 horas locais (10.52 em Portugal continental), tendo o epicentro sido a 98 quilómetros a leste de Santa Maria de Nieva em Condorcanqui, no Amazonas, floresta do norte do Peru, a uma profundidade de 131 quilómetros, segundo o Instituto Geofísico peruano.

A grande profundidade do terremoto na Amazónia peruana fez com que a "onda" fosse maior e tivesse afetado quase metade do país, nomeadamente a zona norte e central, incluindo regiões costeiras e andinas como Cajamarca, Piura, Tumbes, Lambayeque, Ancash e Lima.

"Toda a minha solidariedade ao povo do Amazonas pelo forte terremoto. Pedi aos ministérios e diferentes instâncias do Executivo que mobilizem ações imediatas", disse o presidente peruano Pedro Castillo no Twitter. "Não estão sozinhos, irmãos. Apoiaremos os afetados e agiremos diante dos danos materiais", acrescentou.

O terremoto também provocou danos de infraestrutura em pelo menos duas províncias do Equador, segundo o presidente equatoriano Guillermo Lasso.

Santa Maria de Nieva é uma região pouco habitada, onde moram indígenas da Amazónia e está na margem do rio Nieva, na fronteira com o Equador. "O abalo foi imenso", disse à rádio RPP Hector Requejo, autarca do distrito de Santa María de Nieva, que tem 2500 habitantes, revelando que algumas casas de tijolo e madeira caíram devido à magnitude do terremoto. Na área afetada também foram registrados cortes de energia elétrica.

No distrito de La Jalca, também no Amazonas, uma torre de 14 metros de uma igreja colonial também caiu.

"Saímos todos para a rua, estamos muito assustados", disse à rádio RPP Lucía um ouvinte, que se estava na cidade de Chota em Cajamarca, região de onde é o presidente peruano Pedro Castillo. "Foi muito forte", disse outra testemunha que se identificou como Juan à rádio RPP, em Chiclayio na região de Lambayeque.

Notícia atualizada às 15.00 horas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG