Fauci prevê que seja retomado o uso da vacina da Johnson & Johnson nos EUA

O líder do combate à covid-19 nos EUA prevê que seja levantada a suspensão de uso da vacina da J&J na sexta-feira. EMA divulga parecer para a Europa na terça-feira.

Anthony Fauci, especialista que lidera o combate à covid-19 nos EUA, disse este domingo que prevê que o regulador norte-americano ponha fim à pausa temporária do uso da vacina da Johnson & Johnson (J&J) contra a covid-19. Mais, acredita que a decisão será tomada até sexta-feira.

"A minha estimativa é que continuemos a usá-la de alguma forma. Duvido seriamente que a cancelem. Não acredito que aconteça. Acredito que haverá alguma espécie de aviso, restrição ou alerta de risco", afirmou numa entrevista à cadeia de televisão NBC, citado pela Reuters.

Na semana passada, os reguladores de medicamento norte-americanos recomendaram que o uso da vacina da J&J fosse suspenso, depois de serem reportados seis casos de um coágulo cerebral em mulheres entre os sete milhões de pessoas que já receberam este fármaco nos EUA.

O debate sobre o retomar (ou não) do uso da vacina foi agendado para sexta-feira, dia 23 de abril, pelos Centers of Disease Control and Prevention (CDC).

A vacina também está suspensa na Europa e a Agência Europeia do Medicamento (EMA) anunciou na sexta-feira que dará na terça-feira um parecer sobre a sua utilização.

Portugal já recebeu as primeiras 31200 doses da vacina da Johnson, que ficarão armazenadas até haver uma decisão do regulador europeu sobre a sua utilização.

Nos EUA, Anthony Fauci diz não conhecer a decisão final, mas prevê que será retomada. "Não sei se há mais casos. Saberemos na sexta-feira... E ficaria surpreendido se não fosse retomado o uso da vacina", afirmou.

Crianças americanas vacinadas no outono

Na CBS, Fauci avançou com uma possível data para a vacinação de crianças: o próximo outono. "Ficaria surpreendido se os miúdos do liceu não pudessem ser vacinados até ao fim do outono.

"Penso que no primeiro trimestre de 2022, seremos capazes de vacinar crianças de qualquer idade, talvez até mais cedo".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG