Fauci: EUA precisam de mais dados sobre nova variante antes de proibir voos

Fechar as fronteiras norte-americanas a viajantes oriundos da África do Sul não acontecerá até existir uma base científica que comprove essa necessidade.

O principal cientista do governo dos EUA Anthony Fauci disse esta sexta-feira (26 de novembro) que precisava de mais dados sobre a nova variante de Covid-19 detetada pela primeira vez na África do Sul antes de se juntar a outros países na proibição de voos oriundos da região.

Fauci disse à CNN que "há sempre a possibilidade" de bloquear voos, mas "é necessário ter certeza de que há uma base para fazer isso. E é isso que estamos a fazer neste momento".

Acrescentou que não havia "nenhuma indicação" de que esta nova variante já tenha chegado a solo norte-americano.

O surgimento desta nova variante causou reações imediatas por parte de vários países

A Grã-Bretanha, a Alemanha, a Itália e os Países Baixos estão entre as nações que suspenderam voos oriundos quer da África do Sul quer de países vizinhos, enquanto o Japão irá exigir uma quarentena de 10 dias para todos que cheguem ao país dessa região.

À medida que os cientistas correm para avaliar este variante fortemente mutante - designada pelo seu nome científico B.1.1.529 - há receios de que esta se possa revelar mais infecciosa do que a já altamente contagiosa variante Delta.

"Assim que descobrirmos mais informações, tomaremos uma decisão o mais rápido possível", disse Fauci, o principal conselheiro do presidente Joe Biden sobre o coronavírus.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) disse que pode demorar semanas esta análise mais pormenorizada da variante, advertindo contra o fecho de fronteiras enquanto a evidência científica continuar a ser escassa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG