Coreia do Norte dispara dois mísseis de cruzeiro em direção ao mar Amarelo

As autoridades militares dos Estados Unidos e da Coreia do Sul estão a analisar pormenores como a distância de voo.

A Coreia do Norte disparou esta quarta-feira dois mísseis de cruzeiro, disse o Ministério da Defesa sul-coreano. Foi o primeiro teste de armas realizado por Pyongyang em semanas.

"A Coreia do Norte disparou dois mísseis de cruzeiro em direção ao mar Amarelo a partir de Onchon, na província de Pyongan do Sul", disse um funcionário do ministério à agência de notícias AFP.

"As autoridades militares dos Estados Unidos e da Coreia do Sul estão a analisar pormenores como a distância de voo", acrescentou.

O mar Amarelo é um dos mares do Oceano Pacífico, entre a China, Coreia do Norte e Coreia do Sul.

Coreia do Sul diz que não irá entrar pelo caminho da dissuasão nuclear

O presidente sul-coreano afirmou, entretanto, que o seu Governo não tem planos de entrar no caminho da dissuasão nuclear, na sequência do aumento das capacidades das armas nucleares da Coreia do Norte, que disparou esta quarta-feira dois mísseis de cruzeiro.

Yoon Suk-yeol pediu a Pyongyang que retome as conversações e a diplomacia, destinadas a trocar as etapas da desnuclearização dos norte-coreanos por benefícios económicos.

Este pedido ocorre horas depois de os militares sul-coreanos terem detetado o disparo de dois mísseis pela Coreia do Norte a partir da cidade costeira ocidental de Onchon, em território norte-coreano, em direção ao mar.

Até ao momento, o Estado-Maior Conjunto da Coreia do Sul não divulgou mais detalhes sobre o lançamento destes dois mísseis.

O gabinete de Yoon disse que o diretor de segurança nacional sul-coreano, Kim Sung-han, discutiu o lançamento com outras autoridades antes de Yoon dirigir-se aos jornalistas numa conferência de imprensa e reafirmar a prontidão militar da Coreia do Sul.

Yoon afirmou aos jornalistas que a Coreia do Sul não deseja mudanças políticas à força na Coreia do Norte e apelou ao retorno das negociações para a construção de uma paz sustentável.

Estas declarações acontecem dias depois do líder sul-coreano ter proposto um pacote de assistência económica "audacioso" à Coreia do Norte se o país abandonasse o seu programa de armas nucleares. O primeiro-ministro sul-coreano evitou fazer duras críticas aos norte-coreanos, mesmo depois de estes terem ameaçado com uma retaliação "mortal" devido ao surto de covid-19 no seu país, o qual atribuem à Coreia do Sul.

A proposta de Yoon é, nomeadamente, uma ajuda em larga escala em alimentos, em medicamentos e saúde e na modernização do campo da energia e infraestruturas portuárias, assemelhando-se a ofertas sul-coreanas anteriores que foram rejeitadas pela Coreia do Norte, que está a acelerar o desenvolvimento de armas nucleares e mísseis balísticos vistos pelo líder norte-coreano, Kim Jong-un, como a sua principal garantia de sobrevivência.

Ainda assim, Yoon expressou esperança de um "diálogo significativo" com a Coreia do Norte sobre o seu plano e enfatizou que Seul está disposta a fornecer recompensas económicas correspondentes em cada etapa de um processo de desnuclearização, se a Coreia do Norte se comprometer com um "roteiro" genuíno para abandonar o seu programa de armamentos.

A Coreia do Norte aumentou os seus testes de mísseis para um ritmo recorde em 2022, lançando mais de 30 armas balísticas até agora, incluindo os seus primeiros mísseis balísticos intercontinentais em quase cinco anos.

Notícia atualizada às 09:56

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG