Convivência com a covid-19 pode começar entre março e abril

Alba Vilajeliu alerta, no entanto, para o facto de o vírus ter a capacidade de sofrer mutações, pelo que é necessário estar atento para fazer adaptações a novas circunstâncias que apareçam.

Uma epidemiologista da OMS acredita que, entre a segunda quinzena de março e o início de abril, a pandemia do novo coronavírus entrará numa fase de "convivência" com a covid-19, desde que não apareça uma nova variante".

Em declarações à rádio Catalunya, Alba Vilajeliu, epidemiologista e assessora global de saúde da Organização Mundial da Saúde (OMS), alertou, no entanto, que o vírus tem a capacidade de sofrer mutações, assim é necessário estar atento e contar com sistemas de vigilância para se adaptar às novas circunstâncias.

No caso da sublinhagem BA.2 da variante Ómicron, Alba Vilajeliu declarou que esta não parece ser relevante e que o cenário para a próxima primavera e verão será de "convivência" com a covid-19, mas será necessário proteger as pessoas de maior risco (acima de 60 anos, gestantes e doentes crónicos) e evitar que as hospitalizações aumentem muito.

A epidemiologista tem defendido, por isso, a manutenção de máscaras em espaços interiores, as doses de reforço da vacina contra a covid-19, o distanciamento de segurança e ventilação.

Vilajeliu considerou que a opção de administrar uma nova vacina a cada seis meses com base no surgimento de novas variantes "poderia ser uma das opções", mas ainda não há informações suficientes para seguir este caminho.

A assessora da OMS recordou que laboratórios Moderna e Pfizer já "iniciaram estudos com vacinas adaptadas à Ómicron" e é preciso esperar para verificar os resultados obtidos.

A covid-19 provocou mais de 5,63 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 19.788 pessoas e foram contabilizados 2.507.357 casos de infeção, segundo a última atualização da Direção-Geral da Saúde.

A nova variante Ómicron, classificada como preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral e, desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta em novembro, tornou-se dominante em vários países, incluindo em Portugal.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG