China encerra 12 mil contas que promoviam criptomoedas

De acordo com o portal de notícias económicas Yicai, o órgão regulador da Internet na China "continua a realizar uma campanha de alta pressão contra a especulação em criptomoedas".

A Administração do Ciberespaço da China encerrou 12.000 contas nas redes sociais chinesas que promoviam investimentos em criptomoedas, cujas atividades foram declaradas ilegais pelas autoridades do país, informou esta terça-feira a imprensa local.

De acordo com o portal de notícias económicas Yicai, o órgão regulador da Internet na China "continua a realizar uma campanha de alta pressão contra a especulação em criptomoedas", no âmbito da qual exigiu que as plataformas Weibo ou Baidu -- equivalentes locais do Twitter e Google -- encerrassem as contas mencionadas.

Além disso, mais de 51.000 mensagens contendo "informações ilegais" sobre como "investir em Bitcoin para ganhar dinheiro facilmente" foram apagadas.

As autoridades também fecharam mais de uma centena de portais que promoviam criptomoedas e difundiam tutoriais sobre mineração ou "especulação transfronteiriça" com criptoativos.

A Administração do Ciberespaço prometeu "fortalecer" ainda mais a sua campanha contra as criptomoedas, que causaram, segundo a sua análise, um "aumento na especulação e fraude".

No ano passado, o Banco Popular da China (banco central) declarou todas as atividades relacionadas com criptomoedas, incluindo transações, mineração e publicidade, como "ilegais e criminosas".

Pequim argumenta que a proibição é necessária para "manter a ordem económica, financeira e social". A campanha faz parte dos planos de redução de riscos financeiros do Governo chinês.

O país está também a trabalhar na sua própria moeda digital, mas que, ao contrário das criptomoedas, não pretende descentralizar, mas justamente aumentar o controlo do banco central sobre as atividades no sistema monetário.

Os "mineradores" chineses chegaram a controlar mais de 65% do poder de computação do mundo dedicado à mineração de Bitcoin, graças em parte aos baixos preços de eletricidade praticados em certas regiões do país.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG