China assina polémico acordo de segurança com Ilhas Salomão

O porta-voz da diplomacia chinesa, Wang Wenbin, anunciou o acordo de cooperação na área de segurança entre os dois países. Acrescentou também que este acordo apoiará a "estabilidade (das Ilhas Salomão) a longo prazo".

A China anunciou esta terça-feira (19) a assinatura de um acordo de segurança com as Ilhas Salomão, o que provocou críticas de vários países ocidentais, incluindo os Estados Unidos, preocupados com as ambições militares de Pequim no Pacífico.

"Os ministros das Relações Exteriores da China e das Ilhas Salomão assinaram recentemente o acordo de cooperação na área de segurança", disse esta terça-feira o porta-voz da diplomacia chinesa, Wang Wenbin, ressaltando que "é uma cooperação normal entre dois países soberanos e independentes".

O acordo apoiará a "estabilidade (das Ilhas Salomão) a longo prazo", argumentou.

No fim de 2021, as ilhas foram abaladas por violentos distúrbios, alimentados pelo ressentimento de parte da população com a crescente influência da China. Honiara, capital deste arquipélago do Pacífico Sul, a 1.500 km da Austrália, foi palco de atos de vandalismo e estabelecimentos comerciais chineses foram incendiados.

A Austrália foi um dos países da região que deslocaram forças de paz para as Ilhas Salomão a pedido do governo. Desde então, Pequim, que enviou instrutores da polícia e agentes do Batalhão de Choque, tenta fortalecer o seu dispositivo de proteção na ilha.

Em março, uma versão preliminar do acordo chegou à imprensa. O texto provocou surpresa e críticas, pois contemplava a possibilidade de deslocamentos militares chineses neste arquipélago do Pacífico.

Austrália e Estados Unidos não escondem a sua preocupação com a possibilidade da China construir uma base na região do Pacífico Sul. Esta infraestrutura permitiria ao país projetar o seu poderio militar naval muito além das suas fronteiras.

No mês passado, o primeiro-ministro das Ilhas Salomão, Manasseh Sogavare, confirmou que o acordo de cooperação estava a ser preparado com a China, mas negou a construção de uma base naval.

Nas últimas semanas, Austrália e Estados Unidos intensificaram os esforços diplomáticos para evitar a aproximação entre Ilhas Salomão e China.

"Acreditamos que a assinatura de um acordo deste tipo representaria o risco de desestabilizar ainda mais as Ilhas Salomão e de estabelecer um precedente preocupante para toda região das Ilhas do Pacífico", declarou o porta-voz da diplomacia americana, Ned Price, nesta segunda-feira.

Washington anunciou o envio de uma delegação diplomática de alto escalão ao Pacífico, com prioridade para as Ilhas Salomão, de forma a contra-atacar as ambições de Pequim.
Manasseh Sogavare foi criticado por querer estreitar laços com Pequim depois de romper, abruptamente, as suas relações de longa duração com Taiwan, em 2019.

A China é contrária a qualquer reconhecimento diplomático de Taiwan, que considera parte do seu território. O governo comunista de Pequim transformou o tema numa condição prévia para estabelecer relações diplomáticas com outros países.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG