Brasil, Argentina e Índia vão estar na lista vermelha para entrar na Europa

A União Europeia prepara-se para apresentar, até 9 de junho, um sistema de cores para restringir a entrada de pessoas. A revelação é do ministro francês das Relações Exteriores, que já apontou os países com restrições mais apertadas.

A União Europeia deve estabelecer até 9 de junho a lista dos países terceiros de onde são permitidas viagens sem restrições devido à covid-19 para o bloco europeu, disse este domingo o ministro francês das Relações Exteriores.

"O objetivo é ter essa lista até 9 de junho, o que será muito rápido", disse Jean-Yves Le Drian no programa "Le Grand Jury", que passa na RTL, Le Figaro e LCI.

A categoria "verde" permitirá a chegada à UE de cidadãos de países terceiros "sem qualquer dificuldade, exceto verificações mínimas de controlo sanitário", disse, sem avançar com mais detalhes.

O ministro explicou, que, além da categoria "verde", existe também uma "lista laranja" que identifica os países cujos cidadãos já estão vacinados contra a covid-19, mas com uma "vacina reconhecida" pela UE, e uma "lista vermelha" com "restrições extremamente firmes" devido à circulação das várias variantes do vírus SARS-CoV-2, onde se inclui o Brasil Argentina e Índia.

Com o aproximar do verão e da época turística, os 27 concordaram na quarta-feira em permitir a entrada na UE de pessoas já vacinadas contra a covid-19 vindas de países terceiros.

A UE encerrou as suas fronteiras externas em março de 2020 para viagens "não essenciais" devido à pandemia e vai estabelecer, a partir de junho, uma lista resumida, que é revista regularmente, dos países terceiros cujos residentes vacinados ou não podem entrar na União Europeia.

O ministro francês das Relações Exteriores avançou que a França está a estudar medidas mais restritivas para viajantes do Reino Unido devido à circulação da variante indiana da covid-19 neste país.

"A variante indiana no Reino Unido está a causar problemas e dúvidas. Estamos muito vigilantes", observou.

Jean-Yves Le Drian afirmou que "não será um tratamento vermelho", mas poderá ser intermediário (laranja), e admitiu que podem ser tomadas "medidas sanitárias um pouco mais fortes" para os viajantes do Reino Unido.

Devido à disseminação do vírus indiano, a Alemanha impôs hoje quarentena obrigatória para os viajantes que chegam do Reino Unido, mesmo que apresentem um teste de diagnóstico à covid-19 negativo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG