Boris volta a impôr restrições devido aos casos de Omicron

Uso de máscara em espaços comerciais e transportes públicos e testes PCR para quem entra no país, com confinamento até o resultado ser conhecido, estão entre as novas regras.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou este sábado, em Londres, a reintrodução de restrições para combater a nova variante do coronavírus SARS-CoV-2, entre as quais a obrigatoriedade do uso de máscara em espaços comerciais e transportes públicos.

Entre as novas medidas anunciadas, figura ainda a obrigatoriedade de os viajantes vacinados que entrem no país fazerem um teste PCR em vez do de antigénio, como sucedia até aqui, e terem de ficar confinados até à chegada do resultado.

As novas restrições foram anunciadas numa conferência de imprensa na sequência da deteção de dois casos com a nova variante Omicron, cujos portadores já estão de quarentena, juntamente com os respetivos familiares.

Boris Johnson, que antes do verão tinha levantado todas as limitações em Inglaterra, sublinhou na conferência de imprensa a importância de "ganhar tempo", minimizando os contágios, até que os peritos determinem o efeito da nova variante, que, disse, "parece transmitir-se muito rapidamente" e "entre pessoas com a vacinação completa".

Os dois casos de contaminação com a nova variante do coronavírus SARS-CoV-2 foram detetados em pessoas "ligadas a uma viagem à África do Sul", tinha anunciado previamente no dia de hoje o Ministério da Saúde britânico.

"A agência de segurança sanitária britânica [UKHSA, na sigla em inglês] confirmou que dois casos de covid-19 com mutações compatíveis com B.1.1.529 foram identificados no Reino Unido", revelou o ministério num comunicado.

Na nota acrescenta-se que as zonas afetadas são a localidade de Chelmsford, no condado de Essex, próximo de Londres, e a cidade de Nottingham, no centro de Inglaterra.

O ministro da Saúde britânico, Sajid Javid, anunciou que mais quatro países passaram a estar incluídos na lista de territórios cujos habitantes, a partir das 04:00 TMG de domingo (mesma hora em Lisboa), não podem viajar para o Reino Unido (a não ser que se tratem de cidadãos britânicos e que devem observar uma quarentena num hotel designado).

Na sexta-feira, as autoridades britânicas incluíram na "lista vermelha" a África do Sul -- onde foi detetada originalmente a nova variante -, Namíbia, Zimbabué, Botsuana, Lesoto e Essuatíni, a que agora se juntaram Angola, Moçambique, Malaui e Zâmbia.

A nova variante do coronavírus chama-se Ómicron e foi detetada na África do Sul. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o "elevado número de mutações" pode implicar maior infecciosidade.

O Centro Europeu de Controlo de Doenças (ECDC) alertou na quinta-feira que a nova variante do vírus SARS-CoV-2 suscita "sérias preocupações de que possa reduzir significativamente a eficácia das vacinas e aumentar o risco de reinfeções".

Num comunicado sobre a avaliação da ameaça da nova variante, e com base na informação genética atualmente disponível, o ECDC disse que a nova variante detetada na África Austral é a mais divergente (em relação ao vírus original) detetada até hoje.

A diretora da ECDC, Andrea Ammon, referiu, citada no comunicado, que há ainda muitas incertezas em relação à transmissibilidade, eficácia das vacinas ou risco de reinfeções, e pediu proatividade na implementação de medidas para "ganhar tempo" até haver mais informação.

A representante recomendou que se feche "a lacuna da imunização" e que sejam consideradas doses de reforço de vacinas para todos os adultos, dando prioridade às pessoas com mais de 40 anos.

"Finalmente, devido às incertezas envolvidas nesta situação, a implementação reforçada atempada de intervenções não-farmacêuticas é agora mais importante do que nunca", disse.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG