Biden anuncia que os EUA estão perto de declarar a independência do "vírus mortal"

"Estamos a sair da escuridão de um ano de pandemia e isolamento", disse o presidente dos EUA durante a celebração do 4 de julho, que intitulou como sendo o "Dia da Independência e a independência da covid-19".

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse domingo que o país está "mais perto do que nunca" de declarar a sua independência do "vírus mortal", referindo-se à pandemia do coronavírus.

"Hoje [domingo] celebramos a América, a nossa liberdade, a nossa independência. O 4 de Julho é um dia sagrado no nosso país", disse Biden no seu discurso por ocasião desta data patriótica.

O Presidente norte-americano organizou a sua primeira atividade de massas na Casa Branca para o Dia da Independência, uma data que o seu Governo considerou propícia à reunião dos americanos como uma família, após meses de restrições pela pandemia.

"Estamos a sair da escuridão de um ano de pandemia e isolamento", acrescentou, que intitulou esta celebração como o "Dia da Independência e a independência da covid-19".

"A América está a voltar a unir-se", sublinhou.

Contudo, advertiu que a batalha contra a covid-19 ainda não terminou.

"Temos muito trabalho a fazer", disse Biden, que insistiu que o vírus "não foi derrotado", recordando que surgiram variantes "poderosas" como o delta, inicialmente detetado na Índia.

Neste contexto, convidou os norte-americanos a serem imunizados, indicando que "a melhor defesa contra estas variantes é a de serem vacinados.

"Se ainda não foram vacinados, vacinem-se agora", disse Biden, acrescentando: "Não queremos voltar ao ponto em que estávamos há um ano".

Nos EUA, 47,4% completaram a vacinação​​

O relvado Sul da residência presidencial deu as boas-vindas aos convidados para desfrutar de um churrasco, um dos costumes mais enraizados entre os norte-americanos para celebrar a sua Independência.

Biden lembrou-se das mais de 600 000 pessoas que perderam a vida para a covid-19 no país, que tem 33,7 milhões de casos positivos da doença, segundo a Universidade Johns Hopkins.

O Presidente dos EUA, que tomou posse em 20 de janeiro, admitiu há semanas que o objetivo de 70% dos adultos com pelo menos uma dose da vacina não seria alcançado até esta data.

De acordo com os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) 67,1% da população com mais 18 anos (cerca de 173,1 milhões) recebeu pelo menos uma injeção, enquanto 58,2% já está totalmente imunizada.

Para a população em geral, 54,9% (182,4 milhões) receberam uma dose e 47,4% completaram a sua vacinação.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG