Áustria impõe uso de máscaras FFP2 na rua para combater Ómicron

Chanceler austríaco não descarta novo confinamento caso as hospitalizações aumentem

O governo da Áustria anunciou esta quinta-feira (6) a obrigatoriedade do uso de máscaras FFP2 nos espaços públicos ao ar livre, para evitar novas medidas restritivas à medida que aumentam os casos da variante Ómicron da Covid-19.

O chanceler Karl Nehammer anunciou a decisão catalogando a situação como "muito séria", com o grau de contágio da Ómicron a apresentar "um novo desafio".

O executivo de Viena agiu depois de ver os novos casos diários atingirem a barreira dos 10.000 na quarta-feira, em comparação com os 3.000 no início do mês, num país de 8,9 milhões de habitantes.

Os revestimentos faciais de grau médico FFP2 já eram obrigatórios nos transportes públicos austríacos e em espaços fechados desde janeiro de 2021.

As máscaras FFP2 oferecem melhor filtração do que as suas equivalentes cirúrgicas e cobrem o rosto com mais eficácia.

A Áustria também está a apertar os seus controles de certificados sanitários, ao mesmo tempo que alivia as restrições, à semelhança de outros países europeus (como Portugal), incluindo no período de confinamento de pessoas com teste positivo e daquelas com quem estiveram em contacto, para evitar uma paralisação da atividade económica.

Nehammer adiantou que a Áustria não descarta um novo confinamento caso as hospitalizações aumentem - depois de o mais recente ter terminado a 12 de dezembro passado, para os vacinados.

Os que ainda não foram vacinados devem permanecer em casa, exceto por motivos maiores, como trabalho e ida ao supermercado, num país onde cerca de um terço dos residentes não foram inoculados - uma das taxas mais altas de não vacinados na Europa Ocidental.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG