Exclusivo As férias do neto do senhor Hulot em risco por acusações de violação

O ex-ministro e expoente do ambientalismo em França, Nicolas Hulot veio a público negar as denúncias de que cometeu crimes de natureza sexual e despediu-se da vida pública.

Foi um popular apresentador de televisão, pré-candidato à presidência francesa e ministro da Transição Ecológica e Solidária sob a presidência de Emmanuel Macron. Na véspera da emissão de uma reportagem televisiva na qual é acusado de violação e agressões sexuais por cinco mulheres, Nicolas Hulot dirigiu-se a um canal de televisão e anunciou que deixará a "vida pública em definitivo". Uma afirmação que não dependerá apenas da sua vontade, mas da evolução das queixas na justiça.

Nicolas Hulot, de 66 anos, vai deixar a presidência honorária da sua fundação e a vida pública, denunciando um "sistema que está a perder a razão", com "a justiça a passar para os estúdios de televisão", tendo feito o anúncio numa entrevista num canal de TV. "Não vou falar mais, é um preço demasiado pesado a pagar", acrescentou o antigo apresentador que negou ter cometido qualquer crime.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG