Alemanha volta a colocar Reino Unido na lista de risco devido à variante indiana

Grã-Bretanha e Irlanda do Norte voltam à categoria de risco de nível mais baixo, mas viajantes ainda poderão evitar quarentena se cumprirem algumas regras

A agência de saúde da Alemanha reclassificou na sexta-feira o Reino Unido como uma "área de risco" de covid-19 devido às preocupações existentes sobre a disseminação da variante indiana lá, mas os viajantes ainda poderão evitar a quarentena se cumprirem algumas regras.

A decisão do Instituto Robert Koch coloca a Grã-Bretanha e a Irlanda do Norte de volta à categoria de risco de nível mais baixo, apenas um mês depois de terem sido retiradas da lista após um declínio do número de infeções graças à vacinação generalizada.

"A classificação deve-se, apesar de uma baixa taxa de incidência, a pelo menos uma ocorrência limitada da variante B.1.617.2 no Reino Unido", disse o RKI em comunicado.

A variante, detetada pela primeira vez na Índia, é considerada mais contagiosa do que a a mutação original e foi classificada pela Organização Mundial de Saúde como uma "variante preocupante".

O governo britânico disse esta sexta-feira que a variante estava a espalhar-se "rapidamente" em várias partes de Inglaterra, com os casos identificados a passarem de 520 na semana passada para 1313 nesta semana.

A Alemanha flexibilizou esta semana as regras para viajantes oriundos de "áreas de risco", o mais baixo dos três níveis de risco, permitindo que pessoas não vacinadas evitem a quarentena de 10 dias se apresentarem um teste negativo.

Aqueles que estão totalmente vacinados ou consigam provar que se recuperaram de covid-19 ao mostrar um teste de PCR positivo com pelo menos 28 dias, não precisam de ficar em quarentena.

Qualquer pessoa vinda de um país de risco ainda deve registar a sua viagem online junto das autoridades alemãs, e pessoas não vacinadas que entram na Alemanha de avião devem apresentar um teste negativo antes do embarque.

O RKI também acrescentou o Nepal à sua lista de áreas com "variantes preocupantes", juntando-se a países como Índia, Brasil e África do Sul.

Requisitos rígidos estão em vigor para qualquer pessoa que pretenda entrar na Alemanha a partir desses países, e mesmo as pessoas vacinadas devem ficar em quarentena durante 14 dias após a chegada a solo germânico, numa tentativa de conter a disseminação das variantes mais perigosas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG